A seleção uruguaia manteve a liderança do grupo CONMEBOL de qualificação para o Mundial 2018. A dupla jornada de apuramento ficou marcada pela ascensão do Brasil de Tite, vitorioso nos dois desafios em que se envolveu.

“Luisito” indomável

Foto: "FourFourTwo"

Foto: “FourFourTwo”

A seleção uruguaia recebeu e venceu a congénere do Paraguai por quatro bolas a zero no estádio Centenário, em Montevideu. O triunfo conquistado, conjugado com o empate da Argentina na Venezuela, viabilizou o regresso dos “charrua” à liderança do grupo de qualificação da CONMEBOL para o Mundial 2018. Luís Suárez e Edinson Cavani foram “reis e senhores” da noite na capital do pequeno país sul-americano. Cavani fez balançar as redes contrárias em duas ocasiões (18’e  54′), enquanto Luís Suárez assistiu o companheiro no tento que abriu o ativo e sofreu uma grande penalidade que se encarregou de converter em golo ainda antes do intervalo. Pelo meio, aos 42 minutos, Cristián Rodríguez (jogador com passagens por SL Benfica e FC Porto) também colocou o seu nome na lista de marcadores, na sequência de um canto cobrado por Gastón Ramírez. Vitória incontestável dos pupilos de Oscar Tabárez frente a uma seleção do Paraguai que protagonizou uma exibição aquém das expectativas, apresentando debilidades claras na defesa e pouca acutilância na saída para o ataque.

Bicampeão sul-americano fora da zona de qualificação

A seleção chilena foi a grande desilusão desta dupla jornada de apuramento. No primeiro encontro oficial após a conquista da edição centenária da Copa América, o conjunto chileno perdeu no Paraguai por duas bolas a uma. Na última madrugada, as bancadas do Monumental David Arellano encheram-se de esperança para assistir ao embate com a Bolívia, mas os eleitos do espanhol Juan Manuel Pizzi voltaram a desiludir. O encontro até começou de feição para os chilenos, com Eduardo Vargas e Fuenzalida a obrigarem o guarda-redes Carlos Lampe a intervir, mas o abalo premonitório nas proximidades da cordilheira dos Andes não foi mais que um falso alarme. O Chile teve mais bola (63 por cento), jogou a maior parte do tempo no meio-campo adversário, dispôs de nove cantos e rematou enquadrado com a baliza em sete ocasiões, mas o “pulmão” da seleção boliviana resistiu a tudo. Ao cabo de oito rondas, o Chile ocupa a sétima posição do grupo com 11 pontos e está fora da zona de qualificação para o Mundial 2018.

Susto na Venezuela

A seleção argentina não se livrou de um grande susto na deslocação ao Estádio Metropolitano de Mérida, na Venezuela, de tal forma que a conquista de um ponto representou um “mal menor”. Sem Leo Messi, ausente devido a lesão, a seleção argentina esteve a perder por duas bolas a zero graças aos golos de Juanpi (Málaga) e Josef Martínez (Torino), jovens promissores que deram alguma cor à rotina sombria do quotidiano do povo venezuelano.

Lucas Pratto foi a principal novidade na convocatória de Edgardo Bauza para este duplo compromisso de apuramento. O dianteiro do Atlético Mineiro assumiu a titularidade e, à passagem do minuto 58, marcou e encurtou a distância no marcador. O tento que obrigaria a uma divisão de pontos surgiu por intermédio de Nicolás Otamendi na sequência de um canto, central que marcou nos últimos 10 minutos da partida. Os dois pontos deixados em Mérida custaram a liderança à Argentina, seleção que viu o Uruguai voltar a assumir o primeiro posto graças à vitória no embate com o Paraguai. A “Vinotinto” somou apenas o seu segundo ponto nesta fase de qualificação.

Tite começa com o pé direito

Foto: "FourFourTwo"

Foto: “FourFourTwo”

À entrada para este duplo compromisso de apuramento para o Mundial 2018, a seleção brasileira estava fora da zona de qualificação. A chegada de Tite parece ter surtido o devido efeito, uma vez que a “Carinha” venceu os dois jogos que disputou sob a nova chefia, recuperoi confiança depois da má participação na edição centenária da Copa América e assumiu a vice-liderança (partilhada com a Argentina) do grupo de qualificação da CONMEBOL. Depois da vitória no Olímpico de Atuhalpa em noite de estreia (0-3), o conjunto brasileiro impôs-se frente à Colômbia (2-1). Na Arena da Amazónia, a seleção brasileira voltou a demonstrar que já há muito trabalho de Tite na sua forma de jogador, procurando um futebol mais apoiado para se chegar à frente, em detrimento da bola longa para explorar em profundidade. Neymar, herói do ouro Olímpico, voltou a er decisivo ao desfazer o empate a uma bola à passagem do minuto 74, oferecendo a quarta vitória à sua seleção nesta fase de qualificação.

Equador derrotado no Peru

Na luta pelo acesso à fase de grupos do Mundial 2018, a seleção equatoriana viajou até ao Peru apostada em recuperar do desaire sofrido em Quito diante do Brasil. Após um início de campanha muito auspicioso com quatro vitórias de modo consecutivo, os eleitos do boliviano Gustavo Quinteros voltaram a claudicar, averbando a terceira derrota (2-1) de modo consecutivo nesta etapa de qualificação. Um golo do peruano Renato Tapia – reforço do Feyenoord para 2016/17 – definiu o encontro à passagem do minuto 78, depois de Christian Cueva ter marcado na conversão de uma grande penalidade e Gabriel Achillier ter igualado a contenda ainda na primeira parte. Com este resultado, o Equador fica na 5ª posição com 13 pontos, lugar que dá acesso à disputa de um “play-off” com uma equipa de outra confederação.

Boas Apostas!