Aquele que era o objetivo desportivo de Bruno de Carvalho e Leonardo Jardim para esta temporada, o apuramento direto para a Liga dos Campeões, está, neste momento, nas mãos da equipa do Sporting. Daí que seja tempo para que, nos escritórios de Alvalade, se definam claramente as linhas com que se vai enfrentar a próxima luta: a construção de um plantel com capacidade para enfrentar a Liga dos Campeões.

O ponto prévio deste plano ficou resolvido com a venda do passe de Elias, o que livra os cofres do clube de um ordenado incomportável por um jogador que nunca deu, no relvado, uma imagem próxima do que significava em termos de folha salarial. Sem encargos excessivos com jogadores que não façam parte do coração do plantel, o Sporting tem caminho mais livre para enfrentar o desafio seguinte, conseguir manter algumas das suas pérolas de verde e branco.

As renovações

A encabeçar a lista dos jogadores que poderão merecer alguma atenção ao seu contrato estão uma série de elementos que superaram as expetativas sobre eles criadas no início da temporada. Se Jefferson não será propriamente uma surpresa, porque de facto se via no lateral-esquerdo um elemento que poderia render a um nível mais elevado, Adrien e Slimani conquistaram um peso no onze titular que ninguém estava capaz de prever. O médio encontrou a sua posição num triângulo que oferece toda a intensidade de jogo dos leões, enquanto o argelino é a conjugação entre homem de área e pivô ofensivo que há muito se desejada em Alvalade.

Por outro lado, existem ainda os casos de jogadores como Carlos Mané e Rui Patrício, que deverão merecer a cobiça de equipas estrangeiras, mas que perante a possibilidade de representar o Sporting na Liga dos Campeões – no caso do guarda-redes, um regresso -, são possibilidades para ficar. Carlos Mané poderá continuar o seu processo de crescimento em Alvalade, tornando-se num jogador titular na próxima temporada, evitando assim casos de outros atletas que acabaram por não render o esperado nas suas aventuras pelo estrangeiro. Rui Patrício, apesar de bem cotado, vale, hoje em dia, muito mais para o Sporting do que para um clube comprador. Para além do mais, o mercado não deverá proporcionar uma proposta de um grande europeu, pelo que a presença dos leões na Liga dos Campeões poderá ser suficiente para manter o capitão mais uma época no seu posto.

Vender para comprar ou o seu contrário

Três nomes sobressaem no plantel do Sporting para o próximo mercado de verão. William Carvalho é o médio defensivo que todas as equipas namoram, tal a evolução registada por este jovem que andou emprestado ao Cercle Brugge. Marcos Rojo, por seu lado, será titular da seleção da Argentina no próximo Mundial e, depois de uma temporada de acerto e com vários golos marcados, também deverá aguçar o apetite de algumas bolsas endinheiradas. Por fim, Diego Capel não tem em Alvalade já o espaço que beneficiou quando chegou e, sendo um nome bem cotado na Europa, poderá acabar por sair de Alvalade a troca de alguns milhões de euros.

Zezinho

Voltaremos a ver Zezinho no Sporting?

Dito isto, não me parece que o Sporting esteja a vender para poder comprar mas, pelo contrário, terá que comprar para substituir as peças que vê sair. O meio-campo defensivo será alvo de uma intervenção cirúrgica no próximo mercado, visto que os regressos de Rinaudo e Zezinho não são suficientes para conseguir fazer esquecer William. O centro da defesa é outra das posições a precisar de um reforço, enquanto o meio-campo ofensivo também deverá merecer uma procura no mercado, já que Vítor Silva e Shikabala não deverão estar entre as opções principais para o novo ano, ainda que se possam manter pelo plantel. Finalmente, no ataque, será de esperar a compra de mais um elemento para dar rotação a Slimani e Montero, que num quadro competitivo como a Champions, poderão ter mais minutos juntos como titulares.

Da juventude

Se o caso de Zezinho, acima referido, é uma incógnita – o internacional guineense tem andado pelos últimos lugares da Liga Grega, onde raramente fez um jogo completo – outros se vão afirmando como certezas para o plantel leonino do próximo ano. João Mário, atualmente no Vitória de Setúbal, tem garantias de minutos em Alvalade no próximo ano, enquanto Wallyson poderá também passar a ser um elemento fixo no plantel principal. Ricardo Esgaio e Rúben Semedo também não deverão estar longe de serem opções mais recorrentes na defesa leonina, enquanto outros nomes, como Filipe Chaby ou Iuri Medeiros, estão na calha para serem trabalhados em conjunto pelos técnicos da equipa principal e da equipa B com vista a uma possível integração na equipa.

Boas Apostas!