E o fim-de-semana acabou como começou. Nada de novo na Linha da Frente.

SL Benfica, FC Porto, Sporting CP e SC Braga fizeram o que lhes competia, venceram os seus adversários e continuam em louca correria em direcção ao final da prova e em busca do melhor dos mundos: o título, a Liga dos Campeões ou a Liga Europa.

Mas não se limitaram a vencer. Golearam. Uns mais que outros, mas todos eles marcaram 2 ou mais golos. SL Benfica 5; FC Porto 3; Sporting CP 2; SC Braga 4. Uma média de 3, 5 golos por equipa, por jogo. Uma boa média. E se pensar que, com excepção do SC Braga, todas as outras equipas sofreram golos, que belos jogos se jogaram no fim-de-semana, cheios de golos, a alma do futebol e a alegria do adepto.

Juntamente com os golos, as goleadas e as vitórias, manteve-se o status quo. O SL Benfica lidera. O FC Porto continua a pressionar a 2 semanas do jogo do título. O Sporting CP continua na expectativa. E o SC Braga, também.

SL Benfica

O SL Benfica foi a primeira das equipas da frente da tabela classificativa a entrar em campo. E entrou focada em resolver o jogo logo de início e não voltar a sofrer um volte-face como em Vila do Conde. Ainda não se tinha atingido os primeiros 10′ de jogo, já o central Jardel, descoberto goleador nestes últimos tempos, tinha inaugurado o marcador e feito o 1 a 0, respondendo com um remate de cabeça a um centro de Pizzi, para o interior da área adversária, contra uma equipa que começara o jogo, todo atrás da linha da bola, a proteger a baliza de Cristiano.

Sem perder o discernimento, e aproveitando o momentâneo choque de quem se descobre começar um jogo logo a perder, o SL Benfica insistiu no ataque continuado, de bolas bem trocadas, sempre em movimento, e, aos 20′ de jogo já estava a ganhar por 3 a 0, com golos dos seus avançados: Lima e o inevitável Jonas.

SL Benfica

Jardel descobriu a sua veia goleadora e foi dele o golo inaugural com a Académica

Lima marcou o terceiro golo de grande penalidade, aos 19 minutos, a sancionar uma falta cometida sobre si próprio, dentro da grande área. Mas já antes, aos 11′, Jonas respondeu, também de cabeça, a um centro de André Almeida, e elevou o marcador para os 2 a 0.

Aos 20′ de jogo, os encarnados já ganhavam por 3 a 0, e dominavam o campo.

Até ao intervalo, o resultado manter-se-ia. Mas a iniciativa de jogo sempre do lado encarnado. A Académica, que tinha optado por uma estratégia defensiva, não conseguia chegar à baliza de Júlio César. O SL Benfica estava dominador. Tão dominador que, Jorge Jesus até arranjou tempo para se sentar um pouco no banco, ao lado de Fejsa, ele que vê todos os jogos de pé.

No reatamento, a Académica, já com duas substituições, tentou parar o rolo compressor do SL Benfica e, por momentos, até parecia tê-lo conseguido, mas foi uma pura ilusão. Aos 53′, ou seja, 8′ depois de recomeçar o jogo, Jonas fez o seu segundo golo, e o quarto das águias. De novo com uma assistência de André Almeida, desta vez, Jonas utiliza o pé, e não a cabeça, para colocar a bola no fundo da baliza de Cristiano.

A Académica não conseguia fazer frente ao SL Benfica, que continuava a carregar e a falhar várias oportunidades de aumentar o marcador. Entretanto, Jorge Jesus fazia entrar Fejsa, que já não jogava há um ano. Depois de uma grave lesão, e duas complicadas cirurgias, aí estava de novo o médio sérvio do SL Benfica.

Entretanto, e contra a corrente do jogo, a Académica conseguia fazer golo aos 80′ e, Rafael Lopes, o seu autor, emociona-se.

Jorge Jesus, entretanto, fez entrar Jonathan Rodríguez, para a estreia do avançado uruguaio. Momentos antes já tinha entrado Ola John. E ainda Jonathan Rodríguez não tinha visto a bola, já esta tinha entrado, pela quinta vez, na baliza de Cristiano, elevando o marcador para os 5 a 1, com um golo marcado por Fejsa, que rematou forte e colocado fora da área, e marcou assim o seu belo regresso ao relvado da Luz com um golo de encher o olho.

No próximo fim-de-semana o SL Benfica desloca-se ao Restelo para defrontar o Belenenses que está a 1 ponto de chegar aos lugares europeus. Um jogo difícil, que se adivinha, nas vésperas do SL Benfica – FC Porto.

FC Porto

O FC Porto entrou em campo ainda o SL Benfica estava a jogar. A primeira parte de um, coincidiu com a segunda parte do outro. E, por vias das dúvidas, vamos lá a marcar golos e a ganhar o jogo.

Aos 8′ de jogo, Brahimi fez o gosto ao pé e colocou a bola dentro da baliza de Ederson. Mas o árbitro anulou o golo, decisão muito contestada por parte dos azuis-e-brancos.

Seria Ricardo Quaresma quem acabaria por, ao minuto 25, inaugurar o marcador. Não fora à primeira, foi à segunda. Depois de ter feito um remate muito forte à trave no minuto anterior, Ricardo Quaresma bateu a grande penalidade assinalada pelo árbitro a sancionar uma falta de Zeegelaar sobre Danilo, e abriu o marcador, colocando o FC Porto, pela primeira vez, em vantagem.

FC Porto

Num jogo muito bem disputado, o FC Porto acabou por chegar mais alto e mais longe que o seu adversário, o Rio Ave

Embora a equipa do Rio Ave a fogachos tentasse levar o perigo até à área de Fabiano, o FC Porto parecia ter tudo controlado, não deixando grande espaço à equipa de Pedro Martins. Mas após o golo de Ricardo Quaresma, o Rio Ave tentou crescer e aproximou-se demasiado da área portista, chegando a fazer alguns remates muito perigosos.

O FC Porto, avisado com o jogo que o SL Benfica (não) conseguiu fazer em Vila do Conde, e contra a corrente do jogo, fez o 2 a 0, por intermédio de Danilo que, à entrada da área, rematou, colocado, para o interior da baliza de Ederson.

Na segunda-parte, as duas equipas entraram com vontade de manter a superioridade (o FC Porto), e de alterar o resultado (o Rio Ave). E a verdade é que se assistiu a uma bela partida de futebol, muito bem jogado taco-a-taco, com excelentes oportunidades de lado-a-lado, até que, ao minuto 71, finalmente, Tarantini a conseguir reduzir o marcador ao fazer o golo do Rio Ave.

Aproveitando um certo nervosismo portista, o Rio Ave partiu para cima do FC Porto à procura do empate mas, num lance de contra-ataque, Hernâni, a responder a uma assistência de Aboubakar, marcou, aos 83′, o terceiro golo do FC Porto e colocou alguma água na fervura. O Rio Ave desmoralizou com o golo portista, enquanto que o FC Porto voltou a recuperar o domínio de jogo e, até ao final, nunca mais seria colocado em cheque.

O FC Porto chegaria ao final do encontro com uma vitória num terreno onde o líder fora derrotado, fazendo alimentar as esperanças da equipa e dos adeptos.

Na próxima semana o FC Porto vai receber em casa a mesma Académica que foi goleada pelo SL Benfica. Mas todo o cuidado é pouco. É que a Académica está a precisar de pontos para fugir à despromoção. E, a meio desta semana, o FC Porto recebe, no Dragão, um jogo dos quartos-de-final da Liga dos Campeões com o Bayern Munique.

Muito suspense ainda por vir.

Boas Apostas!