Menu

Tomas Berdych – Andy Murray (Wimbledon)

Nos últimos sete anos só por uma vez Andy Murray não chegou à semifinal de Wimbledon ou mais além mas esteve quase a acontecer na quarta-feira. Tsonga deu excelente réplica e só ao fim de quatro horas em court o britânico garantiu a passagem, com o auxílio do público. Tomas Berdych apanhou o surpreendente Pouille mas não entrou em facilitismos. Desembaraçou-se do francês em sets diretos.

Tomas Berdych sentiu algumas dificuldades nas rondas anteriores, particularmente frente e Jiri Vesely (4-6, 6-3, 7-6, 6-7, 6-3), o carrasco do português João Sousa. Temia-se um embate dos quartos de final mais desafiante, já que o checo voltava a ter pela frente um jovem cheio de sangue na guelra, que estava nestas andanças pela primeira vez. Talvez por estar de sobreaviso – Lucas Pouille também pareceu algo apagado – a coisa resolveu-se de forma mais simples do que o esperado. O encontro (7-6, 6-3, 6-2) não chegou a durar duas horas e depois de desmontar a resistência do francês no primeiro parcial, que foi decidido em tie break, os dois sets finais foram totalmente comandados pelo número nove mundial.

Berdych foi finalista vencido na edição de 2010, onde teve uma campanha absolutamente fantástica. O vencedor desse ano foi Rafa Nadal, mas antes o checo tinha mandado para casa nada mais nada menos que Federer e Djokovic, de enfiada. Berdych sabe que não tem grande registo contra opositores do top-5 mas o desequilíbrio para Murray não é totalmente desanimador.

Andy Murray Wimbledon 2014viu o aperto por que passou Federer e tentou não ser apanhado no mesmo. Mas Tsonga não esteve pelos ajustes e o escocês foi mesmo obrigado a cinco sets para seguir em frente (7-6, 6-1, 3-6, 4-6, 6-1). Só o primeiro parcial durou uma hora e dezoito minutos. Ainda assim foi Murray a sair por cima e o francês quebrou bastante com a energia despendida no tie break. Mas ao terceiro set Tsonga começou a entrar no seu momento e o britânico sentiu que a vantagem lhe escapava entre os dedos. Naquele seu jeito de discutir consigo mesmo em court, e solicitando muitas vezes o apoio das bancadas, Andy Murray lá conseguiu combater a exaustão física e mental de um duelo tão exigente. Sim, porque Tsonga fez pontos brilhantes, tanto assim que o público britânico não lhe regateou aplausos nessas situações.

Sem Djokovic em prova o número dois mundial sabe que tem aqui uma oportunidade privilegiada para acrescentar um título numa prova do Grand Slam ao currículo. Murray sagrou-se campeão em Wimbledon há três anos, derrotando Roger Federer na final (4-6, 7-5, 6-3, 6-4). Foi um momento emocionante, um britânico a voltar a levantar o troféu do Major em relva, ao fim de décadas. Foi também a antecâmera para a medalha de ouro olímpica, que chegaria dois meses depois, também na relva do All England Club. De certeza que todas essas coisas pesam cada vez que Murray entra em court, para o bem e para o mal.

2016 Masters de Madrid Murray 2 6 6 QF
Berdych 0 3 2
2015 Masters de Shanghai Murray 2 6 6 QF
Berdych 0 1 3
2015 Masters de Miami Murray 2 6 6 SF
Berdych 0 4 4
2015 Open da Austrália Murray 3 6 6 6 7 SF
Berdych 1 7 0 3 5

A rivalidade entre Andy Murray e Tomas Berdych teve momentos conturbados quando Dani Vallverdu, depois de anos na equipa técnica do primeiro se mudou para o camarote do segundo, com insinuações de que sabia como entrar na cabeça do britânico. Causou irritação, sim, mas o escocês manteve a liderança nos duelos (8-6), sendo que venceu os embates entre ambos nos últimos dois anos.

Prognóstico Odd Casa Erro
Murray Vence por 3-1 3.75 Betrally
tomasberdych
Tomas Berdych
  • País: República Checa
  • Estádio:
  • Cidade:
  • Fundação:

Ver ficha completa

Andy Murray
Andy Murray
  • País: Inglaterra
  • Estádio:
  • Cidade:
  • Fundação:

Ver ficha completa

Justa Barbosa
Justa Barbosa
  • Próg. realizados 1933
  • Média Odds usadas 2.21
  • Próg. certos 810
  • Próg. errados 1100
comments powered by Disqus

Últimos jogos