Contado ninguém acredita. Até porque a maior parte dos intervenientes são advogados, licenciados em direito, juristas.

A 11 de Junho realizaram-se as eleições para a Liga de Clubes. Das três listas apresentadas, a de Fernando Seara e a de Rui Alves foram afastadas da corrida aos votos por, alegadamente, conterem irregularidades nas listas apresentadas.

Das três candidaturas anunciadas, só a de Mário Figueiredo reunia condições legais para ir a sufrágio. Com uma só candidatura à presidência da Liga, a Lista de Mário Figueiredo ganhou com os votos de Sporting, Paços de Ferreira, Belenenses, Leixões, Farense, Santa Clara e Atlético.

Ora, quase mês e meio depois, veio o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol deferir, por unanimidade, o recurso apresentado por Vitória de Guimarães e Estoril-Praia em que pediam a anulação das eleições realizadas a 11 de Junho com candidato único, Mário Figueiredo, que corria para a reeleição.

Segundo o mesmo Conselho de Justiça, a Lista encabeçada por Fernando Seara reunia todas as condições para ir a votos, e não deveria ter sido afastada pela Mesa da Assembleia Geral da Liga. E mais, anunciou o dito Conselho de Justiça, a Lista encabeçada por Mário Figueiredo, a única a ser aceite às eleições, não deveria ter sido aceite porque continha algumas deficiências que a impediriam de ir a eleições.

Assim, as eleições para a Liga de Clubes realizada a 11 de Junho fica anulada, e têm de se repetir as eleições, sendo que não poderão haver novas candidaturas. Para já, a única candidatura que reúne as condições para ir a votos é a Lista de Fernando Seara, que tinha sido afastada por irregularidades. A Lista de Mário Figueiredo ainda pode ir a eleições, bastando que resolva as irregularidades detectadas, agora, na sua candidatura. Por último, ainda se aguarda decisão sobre o recurso apresentado pela candidatura de Rui Alves, não se sabendo, ainda, se a Lista por si encabeçada, poderá, ou não, concorrer à repetição das eleições, já que também esta lista tinha sido impedida de concorrer às eleições por conter algumas irregularidades.

Fernando Seara - Candidato à Presidência da Liga de Clubes

Fernando Seara, afastado das eleições por irregularidades na Lista, é quem tem, afinal, tudo correcto

Ora, estamos num Mundo de juristas. Como é possível isto acontecer? E se é assim para quem domina o direito, como será para o leigo que não o domina?

Temos então que, a pouco menos de 3 semanas começa a nova época desportiva da Liga de Clubes, e esta está sem presidente, e os corpos sociais estarão legais? Vão haver novas eleições mas sem novas listas, sendo certo que, até ver, só a de Fernando Seara é que está em condições de ir a votos, aguardando-se o que fará Mário Figueiredo e o que será decidido sobre Rui Alves.

O normal, portanto.

Entretanto, o Secretário de Estado do Desporto e Juventude veio dizer que: “cabe aos clubes encontrarem agora os consensos necessários para uma gestão que permita a sustentabilidade do futebol português e a defesa da sua boa imagem.”

E Carlos Deus Pereira, o ex-Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Liga de Clubes, que está no centro do problema criado, também veio já dizer que este deferimento do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol, “é uma decisão política e que já estava decidida. No entanto, do ponto de vista do Direito, quero perceber como está fundamentada. As minhas decisões podem ser discutidas, mas não têm mácula. Estou de consciência tranquila. Se há alguém no futebol que não tem rabos de palha sou eu.” O Conselho de Justiça, entretanto, decidiu abrir um inquérito para determinar as responsabilidades do ex-Presidente da Mesa em todo este processo.

Sobre tudo isto, Fernando Seabra disse, numa breve declaração à Agência Lusa que: “sempre tive perfeita consciência de que a minha lista era válida.”

Mário Figueiredo tem mantido o silêncio.

Boas Apostas!