A Taça Asiática é a segunda competição continental mais antiga do Mundo, depois da Copa América.

A primeira edição teve lugar em 1956, em Hong Kong, com o vencedor a ser a Coreia do Sul. Uma prova que se realiza de quatro em quatro anos, mas que viu os anos a serem alterados, por coincidência com os Jogos Olímpicos e o Europeu. Depois de 2004, a Taça Asiática jogou-se em 2007.

O número de equipas que têm dominado este torneio é relativamente curto. Desde 1984 que o Japão e a Arábia Saudita são as selecções de maior sucesso, vencendo 7 das últimas 8 finais.

Em 2019, a prova será expandida de 16 para 24 selecções, contemplando um novo formato de qualificação para o próximo Mundial de 2018.

Contrariamente a outras competições internacionais, a Taça Asiática muda regularmente de data devido às condições climatéricas do país anfitrião.

AFC Asian Cup Australia 2015

Os grupos e os participantes, na Taça da Ásia, no Austrália 2015

O pequeno leque de equipas a disputar esta competição faz com que os vencedores sejam concentrados. O Japão já levantou por quatro ocasiões o troféu (1992, 2000, 2004 e 2011) contra três da Arábia Saudita e Irão em 1984, 1988, 1996 e 1968, 1972 e 1976, respectivamente. A Coreia do Sul, primeira selecção a conquistar a Taça Asiática, já soma duas vitórias (1956 e 1960). Israel, Kuwait e Iraque são os outros países vencedores em 1964, 1980 e 2007.

A Austrália entrou na Confederação Asiática em 2007 e recebeu a 16ª edição do torneio este ano. Uma prova que decorre entre 9 e 31 de Janeiro e cuja organização será fora da Ásia, pela primeira vez na história. O vencedor desta prova irá representar a Ásia na Taça das Confederações de 2017, na Rússia.

Foram cinco os estádios escolhidos para acolher a AFC Asian Cup: Sidney, Melbourne, Brisbane, Canberra e Newcastle.

O Mundial no Brasil foi alvo de muitas críticas para as selecções asiáticas, desiludindo os seus fãs em todos os aspectos. A título de exemplo, a Costa Rica somou mais pontos que a Coreia do Sul, Irão, Austrália e Japão, juntos.

Candidatos

Os socceroos são os grandes favoritos à conquista da prova. Jogam em casa e possuem uma selecção com jogadores de grande qualidade. Ange Postecoglou tem o seu primeiro grande desafio pela frente depois de um ano a reconstruir a selecção. A concorrência é forte com a Coreia do Sul, Omã e Kuwait a figurarem entre as restantes selecções do Grupo A. A Austrália alinha em 4x1x2x3.

A China está longe de ser uma potência no que toca ao futebol, contrariamente à economia, mas têm sido dados pequenos passos importantes neste sentido. O campeonato nacional tem crescido em termos de competitividade, o que consequentemente leva a um aumento do nível das selecções nacionais. Cabe ao francês Alain Perrin organizar a sua selecção e atingir a próxima fase, apoiando-se para isso num 4x2x3x1.

O Irão de Carlos Queiroz é a selecção asiática com o ranking mais elevado, mas sentiu dificuldades para preparar esta competição deixando muitos jogadores de fora da Taça Asiática que foram peças cruciais no Mundial. Uma selecção assente no 4x2x3x1 que tem ambições legítimas para terminar em primeiro lugar do Grupo C.

Selecção do Japão 2011

O Japão é a selecção com mais Taças conquistadas e o actual detentor do troféu, conquistado em 2011

O Japão é outra das selecções favoritas à conquista da Taça. O seu currículo fala por si, com quatro troféus, mas isso não é suficiente para levar de vencida as restantes equipas. A decepcionante prestação no Mundial de 2014 fez com que Alberto Zaccheroni fosse substituído por Javier Aguirre. Os samurais passam por um processo de adaptação às novas ideias do seleccionador, mas contam com um conjunto organizado com o 4x1x4x1 a ser o sistema eleito.

As outras selecções favoritas à passagem à próxima fase são a Coreia do Sul, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Iraque dos Grupos A, B, C e D, respectivamente.

Uma oportunidade única para seguir de perto o futebol distante e desconhecido da Ásia. Um mercado que tem crescido nos últimos anos de forma significativa. Os grandes clubes europeus já não dispensam os seus olheiros de observarem os campeonatos locais destes países, bem como estas competições continentais.

É verdade que em Portugal não é fácil acompanhar os jogos devido ao fuso horário australiano, mas agora já não tem desculpas para não estar ao corrente do que se passa na Taça Asiática e comentar com os seus amigos:

Boas Apostas!