O futebol corre nas veias dos gémeos Gustafson.

Nascidos em 1995, Simon e Samuel atuam ambos no BK Hacken da Allsvenskan – principal escalão sueco – e estão empenhados em brilhar para criarem uma identidade que suplante outros Gustafsson famosos no país.

Embora “Gustafsson” com dois “s”, o lutador da “UFC” Alexander Gustafsson reclama, para já, maior mediatismo a nível interno. E para precaver o leitor mais curioso que se prontifique a pesquisar mais num motor de busca acerca do atleta em questão nesta análise, recomenda-se que tenha cuidado na hora de redigir o apelido, visto que Simon Gustafsson – novamente com duplo “s” – se trata de um piloto sueco, e não do promissor médio que se destaca com a camisola do BK Hacken de Gotemburgo.

Sem mais momentos de dispersão, voltemos a falar sobre os verdadeiros Gustafson. Não será justo considerar, neste caso, uma distinção entre Simon e Samuel que conote um dos dois de bem sucedido, e outro de mal sucedido, até porque é consensual que os dois têm potencial para desenvolver. No entanto, nesta edição da Allsvenskan, é factual que Simon é quem mais se tem evidenciado, e portanto será sobre ele que tecerei considerações nas próximas linhas.

No futebol nórdico, prolifera a juventude. Ultimamente, Marty Odegaard, a jogar no campeonato norueguês, tem sido alvo de uma grande exposição mediática por força de ser aposta no Stromsgodsted em tão tenra idade, e é um exemplo que ilustra bem a realidade atual do futebol escandinavo. E essa aposta na juventude pode considerar-se como ganha no caso de Simon Gustafson, atualmente internacional sub-21 pela Suécia e um dos mais promissores jovens daquele país.

Ao ver os Getingarna – termo sueco para “vespas” por influência das cores do equipamento do BK Hacken – atuar, rapidamente salta-nos à vista o virtuosismo de Simon Gustafson no miolo. Quem teve oportunidade de observar a equipa na deslocação ao reduto do Kalmar FF, no último domingo, teve também chance de ver Simon Gustafson em foco ao assinar um “bis”.

Simon

Samuel & Simon Gustafson

Samuel e Simon Gustafson, o futuro do futebol sueco passa por aqui

Simon é um médio-centro de cariz ofensivo, vertical, que apresenta bons argumentos a nível da condução, rápido em progressão, e com boa leitura de jogo.

Fisicamente forte (1,85m), é elegante a deslocar-se e denota inteligência na forma como se movimenta. Tendo em conta que estamos a falar de um jovem de 19 anos, podemos considerar que é um atleta com desempenho satisfatório no capítulo das decisões, embora haja margem para melhorar. A nível técnico, além da forma como trata a bola, – estou em crer que a ideia de que o jogador nórdico é alto e tosco, já desapareceu – apresenta bons argumentos no que concerne ao drible. Aparece bem em zonas de finalização e tem apetência para o golo, destacando a boa meia distância e, essencialmente, a capacidade no que diz respeito às bolas paradas.

Agenciado pela Global Soccer Management, – que tem em carteira outros jogadores suecos como Bajrami, Rasmus Elm, Simon Thern (sim, o filho de Jonas!) ou o próprio irmão Samuel Gustafson – Simon tem contrato até 31 de dezembro de 2014. Então, atendendo até à oportunidade que está em causa, porque é que ainda não se falou em qualquer tentativa de resgate por parte de um clube de outro campeonato? Provavelmente porque embora Simon Gustafson denote todo este rol de qualidades no processo ofensivo, fica a dever bastante ao processo defensivo. Precisa ser mais agressivo na abordagem a determinados lances, e preocupar-se mais com a recuperação defensiva. A saída da sua pátria dependerá da sua evolução a nível das tarefas defensivas, significativamente descuradas, por sinal. Só deste modo se tornará um atleta completo, aliciante para clubes a competir num pedestal mais elevado.

Ficha técnica:

Nome: Simon Gustafson

Data de Nascimento: 11/01/1995

Nacionalidade: Sueca

Posição: Médio

Altura: 1,85m

Clube: BK Hacken

Clube de Juventude: Fassbergs IF

Seleção: Suécia – U19, U21

Boas Apostas!