Anunciou a renuncia à seleção após a terceira derrota consecutiva em finais de grandes competições, mas recuou na decisão após uma conversa com Edgardo Bauza, seleccionado à época. Decisivo na qualificação da “albiceleste” para a fase final do campeonato do mundo 2018, Leo Messi não conseguiu estar ao seu melhor nível, acompanhando o marasmo coletivo que impediu a ainda vice-campeã do mundo em título de ir além dos oitavos-de-final.

Foto: "REUTERS/Dylan Martinez"

Foto: “REUTERS/Dylan Martinez”

Antes de viajar para a Rússia, questionado acerca da possibilidade de continuar a vestir a camisola da “albiceleste”, Lionel Messi deixou todas as hipóteses em aberto: “Depende de como correr este Mundial, só depois decidirei se continuo ou não a representar a Argentina”.

Uma vez concluída a participação na prova, o jogador do Barcelona foi dos primeiros a abandonar a concentração da seleção na Rússia e não falou aos jornalistas sobre o seu futuro. Há dois anos atrás, imediatamente após a final da Copa América 2016, Leo Messi tinha admitido de imediato a possibilidade de não representar mais a Argentina, decisão de “cabeça quente” que viria a alterar. Desta feita, preferiu não abordar o tema e na chegada a Barcelona, apesar da presença de alguns meios de comunicação social, também não prestou declarações.

Mascherano expressa o desejo de toda a nação

Para Javier Mascherano, o Mundial da Rússia poderá ter correspondido ao último grande certame em que marcou presença ao serviço da Argentina. A continuidade de “El Jefe” na seleção tem sido muito criticada e até já suscitou a criação de um “hit” em tom jocoso por parte dos adeptos argentinos, intitulado “Masche Ciao”.

Após a eliminação ante a França, Mascherano foi questionado acerca da possibilidade de Leo Messi não voltar a representar a seleção, até porque, como se sabe, os dois jogadores que partilharam o balneário no Barcelona possuem uma relação muito próxima. O jogador que atualmente milita na Superliga chinesa considerou “não ser altura para fazer esse tipo de análise”, mas sublinhou o desejo de continuar a ver Leo Messi a defender “La Sele”.

Antes de sequer pensar no Mundial 2022, no Qatar, a seleção argentina terá que se focar na Copa América 2019, prova que vai decorrer no Brasil. Até lá, para além da continuidade de Leo Messi, há outra que decerto fará correr muita tinta nos próximos tempos: a do seleccionador Jorge Sampaoli.

Boas apostas!