Há cerca de mês e meio antevimos o mês de dezembro e o início do mês de janeiro como um período fundamental para ficarmos a conhecer as tendências da Premier League no que toca à disputa de títulos e apuramentos para as competições europeias. E passados estas semanas, vamos reencontrar as equipas numa tabela que teve várias alterações, fazendo mesmo crer que a emoção deste período festivo torna, mesmo, a Premier League num lugar especial.

O Chelsea tremeu mas, depois de ver o Manchester City colar-se na classificação, volta a conseguir uma pequena folga e a estar isolado no primeiro lugar. Do que podemos ver na Premier League, são os Blues a equipa mais forte, quer no que toca a opções, quer na forma como o seu treinador tem ideias consistentes sobre aquilo que quer dos seus homens. Essa parece, mesmo, ser a chave mais poderosa do sucesso dos londrinos. Nenhuma outra equipa na Premier League consegue manter o nível exibicional tão elevado, nem resistir com tanta qualidade ao enorme esforço a que foram expostos.

Yaya Toure Man City

Yaya Touré já está a fazer falta…

O Manchester City tinha um calendário algo favorável para este período e depois de ter conquistado seis pontos ao seu rival direto – podendo mesmo ter ido mais longe, caso não tivesse empatado em casa com o Burnley -, os Citizens voltaram a perder pontos no passado fim-de-semana, no terreno do inconstante Everton, e voltam a estar a dois pontos de distância do primeiro lugar. Os Citizens poderão mesmo ter em janeiro/fevereiro uma grande prova às suas qualidades, tendo em conta que viram Yaya Touré viajar com a sua seleção para a Taça das Nações Africanas. O costa-marfinense é, de longe, o jogador mais preponderante na sua equipa, tendo em conta a sua criatividade no miolo. A constituição do plantel dos Citizens depende muito deste jogador para alimentar as alas, onde possui jogadores rápidos mas não tão criativos, e sobretudo a frente de ataque, onde as lesões afetaram as escolhas de Pellegrini, comprovando que Aguero é o elemento que maior segurança oferece em termos de regularidade.

Para lá do título

Com altos e baixos, o Southampton sobreviveu à tempestade e é hoje uma equipa com pleno direito a reivindicar a candidatura a um lugar na Liga dos Campeões. Isso mesmo demonstraram os homens de Ronald Koeman ao irem a Old Trafford somar uma vitória no passado fim-de-semana. Contem, por isso, com os Saints para uma luta onde os Red Devils parecem tremer. Louis van Gaal não vê beliscado o seu currículo, mas o plantel não consegue, neste momento, seguir plenamente as ideias do holandês que, para além disso, teima em não oferecer um quadro constante nas suas opções. Falcao entra e sai da equipa, em busca de alguma identidade no ataque, não se percebendo, com estas trocas, quem é o jogador que merece mais confiança da parte do treinador para se transformar em homem-golo.

O Arsenal, sem grandes certezas, tem vindo a aproveitar para se aproximar de novo do seu habitat, os primeiros quatro lugares, com o Tottenham a estar também de olho no prémio mais desejado do futebol europeu. Os Spurs voltaram, este ano, a superar o Liverpool, que não consegue resolver a gestão do seu plantel, onde se vão prometendo mais saídas para o próximo verão. Para aumentar ainda os problemas dos Reds, outra equipa londrina, o West Ham, vai conseguindo manter-se em alta no campeonato, segundo em sétimo lugar e sonhando com uma presença europeia.