Se há coisa que José Mourinho gosta, é de uma boa polémica. E se há coisa que Jorge Jesus também gosta, é de nunca se negar a uma resposta, principalmente se acha que tem razão (e Jorge Jesus nunca tem dúvidas).

Mas desta vez, José Mourinho não tinha necessidade de descer tão baixo para se afirmar superior. É provavel que esta picardia de José Mourinho com Jorge Jesus seja por causa das boas relações que Jorge Jesus mantém com André Villas-Boas, com quem José Mourinho não se dá. Mas José Mourinho e Jorge Jesus também são amigos. Ou eram. Inclusivamente, o pai de José Mourinho já fez parte da equipa técnica de Jorge Jesus. Para quem a polémica morre aqui. Enquanto vai mandando, também, umas bicadas. Na conferência de imprensa de ontem, pediu desculpa pelo discurso, pois pensava que estava na Amadora.

Tudo começou por causa de Anderson Talisca, esse miúdo, subnutrido, que o SL Benfica foi buscar a Salvador da Bahia, Brasil.

Desde que chegou, Talisca tem sido alvo que atenções particulares. Já ganhou mais alguns quilos de massa corporal. Está mais forte. Mais possante. Mas mantém aquele corpo esguio, de quem dribla as dificuldades, os problemas da vida e os adversários.

Desde que chegou ao SL Benfica, que Jorge Jesus o agarrou com unhas e dentes, dando mostras de acreditar no eventual potencial do jogador, tanto que, mesmo com menores prestações ou com a falta de adaptação ao futebol europeu, nunca muito evidente, Jorge Jesus nunca o deixou sozinho, acarinhou-o e introduziu-o em outras latitudes do campo que não eram habitualmente as suas.

Claro que as luzes da ribalta acenderam-se com o hat-trick que marcou no último jogo da Primeira Liga contra o Vitória de Setúbal. De repente, toda a gente virou os olhos para o miúdo franzino. Talisca era o jogador do momento – como é, agora, o argelino Brahimi do FC Porto, depois do jogo da Liga dos Campeões contra o Bate Borisov. Num momento, toda a gente conhecia Talisca. Toda a gente lhe augurava um grande futuro.

E então, eis que surge a terreiro José Mourinho, sem se perceber bem por quê, numa entrevista à TVI, onde aborda a vida e obra dos 3 grandes clubes portugueses por onde passou: Sporting CP, SL Benfica e FC Porto. Sempre muito cordato em relação aos 3 clubes. Mesmo em relação à Selecção Nacional, que José Mourinho nunca se escusa a nenhum assunto, foi simpático para com Paulo Bento. Mas eis que, de repente, José Mourinho refere-se a Talisca como um jogador bastante referenciado em Inglaterra, e que só lá não estava a jogar, porque não teria visto de trabalho. Ora, José Mourinho, essa também é uma desculpa esfarrapada. Quando aparece um potencial grande jogador no radar, os grandes clubes com carteiras sem fundo, vão até ao limite para o adquirir. O que o Manchester United fez com Cristiano Ronaldo e Nani? O que o Arsenal tem feito durante os anos de Arsène Wenger? De qualquer forma não parece que tenha sido esse o caso de Talisca. Até porque, como Jorge Jesus afirmou, e com razão, normalmente esses clubes ingleses de que o José Morinho fala, compram já o produto feito, e desenbolsam bastantes euros. Esses clubes, de uma maneira geral, não têm tempo, nem pacência, para fazer crescer jogadores quando ainda estão em gestação inicial.

Jorge Jesus

Jorge Jesus nunca disse que conhecia o D’Artagnan. Provavelmente nem saberá que é Alexandre Dumas

Ora, Jorge Jesus não gostou que tivessem tratado assim, a sua capacidade de descoberta de diamantes em bruto e, à sua maneira, respondeu que os ingleses conheciam tanto o Anderson Talisca como ele, Jorge Jesus, conhecia o D’Artagnan. E com isto, José Mourinho passou-se e reagiu. Mas José Mourinho não percebeu o que Jorge Jesus tinha dito. Ora, Jorge Jesus, ao dizer que os ingleses conheciam tanto o Talisca como ele o D’Artagnan, o treinador do SL Benfica estava a dizer que os ingleses não conheciam o Talisca, porque ele também não conhecia o D’Artagnan. Jorge Jesus já ouviu falar de D’Artagnan, até para poder citar o nome, mas que nunca lera Os Três Mostequeiros, desconfiando-se até que, o homem que está apaixonado pela pintura de Paula Rego, nunca terá ouvido falar de Alexandre Dumas, o autor das aventuras de D’Artagnan e dos 3 Mosqueteiros.

Compreendendo erradamente Jorge Jesus, José Mourinho veio ironizar dizendo que, ao contrário de Jorge Jesus, que tem tempo para ler os livros de Alexandre Dumas, que não foi o que disse Jorge Jesus, ele, José Mourinho, preferia ler a gramática portuguesa, para não o acusarem de lhe dar pontapés, numa alusão, bem directa, às dificuldades de português do treinador benfiquista.

Ficou mal a José Mourinho. Como muitas vezes fica mal a Jorge Jesus subir à sua cátedra e achar que é o melhor treinador do Mundo, quando ganha, mas sacudindo a água do seu capote quando perde.

É que fica mal a qualquer pessoa, principalmente a um Special One, gozar com a falta de escolaridade de alguém que, provavelmente, nem é responsável por essa falta, sendo mais o fruto de um tempo, uma época.

E José Mourinho nem tinha necessidade disso. Eles até são amigos. Mas o que fica de mais grave, é a ileteracia de José Mourinho ao não entender a frase de Jorge Jesus. E ela é bem clara.

Boas Apostas!