A Premier League já era das ligas mais fortes do mundo e com os reforços que vão chegando este ano às principais equipas, parece justo avançar com esta competição para aquela que terá, em concorrência, mais equipas em condições de se sagrarem campeãs. O campeonato do ano passado teve o Manchester City como vencedor, enquanto Liverpool e Chelsea acabaram bem perto. Todos eles se reforçaram, ainda que de Liverpool tenha saído Luis Suárez, melhor marcador do campeonato. A estes três concorrentes juntam-se o Arsenal e o Manchester United, que estarão na linha da frente, enquanto Everton e Tottenham continuam a manter-se como forças capazes de entrar na luta por lugares europeus. Com tantos candidatos, só precisamos mesmo que o campeonato comece o mais depressa possível.

Os dois de Manchester

Ander Herrera Man Utd

Herrera em Manchester

Comecemos pelo campeão em título. Manuel Pellegrini alcançou o seu principal objetivo na sua primeira temporada em Inglaterra, e espera que a renovação do plantel possa continuar a levar a equipa a um estilo mais próximo da sua filosofia. Para tal, chega Fernando, ex-jogador do FC Porto, que poderá oferecer maior solidez ao meio-campo dos Citizens, libertando outro brasileiro, Fernandinho, para missões de criação de maiores dinâmicas na intermediária. Outros dois reforços dão mais opções a Pellegrini. Willy Caballero é um guarda-redes de excelência e Bacary Sagna lutará pela titularidade nas faixas.

Para o seu grande rival, o United, esta será uma época de transformação. A revolução que não foi feita por David Moyes será agora conduzida por Louis Van Gaal, com os Red Devils fora das competições europeias. A chegada do técnico holandês já começou a prometer novas nuances táticas e um discurso vencedor muito apostado em fazer história. No que toca a contratações, Luke Shaw e Ander Herrera poderão ser titulares na equipa do United, da qual se começam a registar saídas de jogadores que ganharam tudo ao serviço dos Red Devils, como foi o caso de Evra, Rio Ferdinand ou Vidic.

O segundo ano de Mourinho

Diego Costa Chelsea

Costa já marca!

Tem sido nota comum na carreira de José Mourinho, transformar as suas equipas para conquistar grandes evoluções na segunda época. Courtois está de volta ao Chelsea e deixa em cheque Petr Cech na luta pela baliza. Na defesa, chega Filipe Luís para ocupar a faixa. A meio-campo, Cesc Fabrégas acrescenta magia, enquanto com Diego Costa e Didier Drogba como opções para o ataque, fica difícil imaginar dificuldades para chegar ao golo.

O Liverpool não resistiu a vender Luis Suárez, já que apesar de tudo o que faz bem dentro de campo, a sua indisciplina poderia voltar a colocar em perigo a organização de Brendan Rodgers. Para o seu lugar, os Reds foram buscar diversas possibilidades, com Rickie Lambert a poder ser o elemento mais fixo ou com Origi a ser um jogador com a mesma capacidade de romper que outros elementos do plantel, como Sterling ou Sturridge. Depois, chegam ainda Lallana, Can ou Markovic, todos eles com muita criatividade e qualidade no momento de decidir, aumentando bastante a capacidade de resolver partidas.

De olho numa oportunidade

Alexis Sanchez

O Arsenal ganha poder de fogo

O Arsenal pareceu, este ano passado, capaz de lutar pelo primeiro lugar, sobretudo depois da chegada de Ozil. Este ano, Arséne Wenger apostou em ter outro reforço para o ataque, com Alexis Sanchez a poder oferecer uma maior rotatividade no ataque, com maior dinamismo e também melhor resolução perto da baliza. Campbell, depois de um grande Mundial com a Costa Rica, parece ter convencido o técnico francês a ter uma oportunidade.

Dos outros dois outsiders nos lugares de topo da Premier League, o Everton apostou forte com a aquisição definitiva de Lukaku, conseguindo segurar todos os outros jogadores de impacto no seu plantel, enquanto os Spurs ainda vão montando as suas peças, esperando-se um plantel refinado a partir daquelas que foram as suas principais opções no ano passado. A grande mudança faz-se no banco, onde Mauricio Pochettino poderá trazer uma muito melhor leitura do que se passa em campo.

Para finalizar, como todos os anos, há sempre uma equipa que busca ser a surpresa da prova. O ano passado, o Southampton teve esse papel, vendo-se, agora, despojado dos seus principais jogadores. Quem arrisca sobre quem será o intruso deste ano?

Boas Apostas!