Despachados os compromissos das seleções volta a Premier League e com programação de luxo. A abrir a jornada um muito aguardado dérbi de Manchester, que coloca frente José Mourinho e Pep Guardiola. Com tanto burburinho em redor dos dois treinadores a visita do Leicester a Liverpool até fica um pouco abafada. Será que Slimani vai a jogo em Anfield este sábado?

Um rivalidade (mais) civilizada?

A rivalidade exacerbada entre Real Madrid e Barcelona fez dois dois uma espécie de arqui-inimigos. Tem pouco de pessoal.

A rivalidade exacerbada entre Real Madrid e Barcelona fez dos dois uma espécie de arqui-inimigos. Tem pouco de pessoal.

Desde que se tornou público que os dois treinadores iriam ocupar os cargos em Manchester que os media e adeptos começaram a salivar com a antecipação destes duelos. José Mourinho e Pep Guardiola são dois dos técnicos de futebol mais famosos e bem-sucedidos do futebol mundial. Outrora companheiros no Barcelona – quando o português fazia parte da equipa técnica de Robson e o catalão capitaneava a equipa blaugrana – foram-se tornando rivais à medida que se sucediam os confrontos enquanto treinadores. A rivalidade atingiu picos de intensidade nos anos em que lideraram o Real Madrid e Barça, respetivamente, e em que se tornaram símbolos de emblemas e filosofias supostamente antagónicas no entendimento do que deve ser o futebol. Na antecipação deste primeiro embate na Liga Inglesa ambos desvalorizam o antagonismo pessoal, muito inflamado pelo confronto entre Madrid e a Catalunha. Pep não é homem para recusar um aperto de mão e é bem possível que aceite um convite para um copo no final da partida. Dito isto, há uma história entre ambos é dificilmente se tornarão amigos.

O escalar da rivalidade

À semelhança do que aconteceu no primeiro jogo que disputaram, é natural que este dérbi de Manchester corre sem dramas. Foi em 2009, em San Ciro, na fase de grupos da Liga dos Campeões, que Mourinho e Guardiola tiveram o primeiro frente-a-frente e o jogo terminou empatado a zeros. As duas equipas – Inter de Milão e Barcelona – voltariam a cruzar-se na meia-final da prova e dessa vez o português levou a melhor (3-1 em casa e 0-1 em Camp Nou). A rivalidade ganhou proporções quando os dois representavam Merengues e Culé. Justiça seja feita, o Barça deu o primeiro murro quando venceu o primeiro El Clássico entre ambos por um retumbante 5-0. A partir daí o caldo estava entornado. Pep leva clara vantagem no histórico desta rivalidade: sete triunfos contra três de José, com seis empates pelo meio. Mas é preciso ser justo, com Guardiola tinha à disposição aquela que muitos consideram ser a melhor equipa da história do futebol. Não lhe retiro o mérito de desenvolver uma filosofia que potenciou ao máximo o plantel mas agora, em Inglaterra, as condições de partida estão mais equilibradas. O seu Manchester City continua a ser o plantel mais rico e é provável que a médio prazo isso lhe venha a dar vantagem. Neste momento, porque o sistema de Guardiola demora um pouco mais a entranhar, as equipas devem estar mais niveladas. O mais fascinante será perceber como o conhecimento que ambos têm do outro vai moldar a abordagem das duas equipas a este duelo. Mas também a que jogadores ou esquemas táticos específicos serão determinantes neste verdadeiro jogo de xadrez jogado no relvado de Old Trafford.

Foxes vão a Anfield

Exemplo de respeito e admiração entre adversários: Ranieri já manifestou várias vezes o seu apreço pelo espírito de Klopp.

Exemplo de admiração entre adversários: Ranieri já manifestou várias vezes o seu apreço pelo espírito de Klopp.

A jornada quatro da Premier League não se reduz ao dérbi de Manchester. O último jogo de sábado terá Anfield como cenário, numa receção ao campeão em título. Veremos em que condições os internacionais de parte a parte regressam mas deve dar uma partida interessante entre a tática de Ranieri e energia contagiante de Klopp. Para o público português há o interesse acrescido de perceber se Islam Slimani vai ter minutos no encontro. Já sabemos que na Liga Inglesa isso é muito comum: quem chega entra. O Chelsea viaja até Swansea City e os Spurs vão ao terreno do Stoke City. Os Gunners recebem os Saints, com ou sem Mustafi no onze é também a interrogação. Outra curiosidade: quantos jogadores disponíveis terá Mike Phelan no Hull City este fim de semana?

Boas Apostas!