Finalizada a primeira volta da Primeira Liga portuguesa, fazemos um pequeno balanço daquilo que se passou nestas dezassete jornadas. Na frente da Liga, com seis pontos de vantagem, o Benfica comprova quais as vantagens de partir na frente. Tendo mantido o treinador e várias peças essenciais para o sucesso da equipa, os encarnados revelaram uma consistência exibicional que apenas pode ser sonhada pelos seus principais rivais. A importância de jogadores como Maxi Pereira e Luisão, na defesa, Enzo Pérez no meio-campo e Gaitán e Salvio nas faixas saíram sublinhadas, mais ainda com a chegada de reforços fundamentais como o guarda-redes Júlio César, o criativo Talisca e Jonas que, sobretudo nas recentes semanas, conquistou de vez a titularidade nas opções de Jorge Jesus.

Gaitan

Gaitán é uma das figuras da Liga

Na perseguição aos encarnados, os portistas foram, nesta primeira volta, vítimas do seu particular processo de crescimento. Julen Lopetegui trouxe novas ideias, novos jogadores e, sobretudo, uma rotação de nomes que durante algumas semanas preocupou os adeptos e pareceu ser prejudicial para o melhor funcionamento da equipa. No entanto, encontrado o tom e o ritmo de jogo que ansiava, o técnico espanhol estabilizou as suas opções, com Brahimi e Jackson Martínez a serem os elementos mais valiosos do plantel, bem coordenados com o crescimento de influência de Óliver Torres e Herrera, enquanto nas faixas laterais Danilo e Alex Sandro confirmam o seu valor.

Nani Sporting

Com Nani, o Sporting compete ao mais alto nível

O Sporting está já a dez pontos do primeiro lugar, mas a equipa pode até apresentar melhores números do que a sua antecessora, com Leonardo Jardim, quando andava nas bocas do mundo. A performance dos seus rivais tem grande influência na forma como olhamos para a capacidade do Sporting. No que toca a nomes, a chegada de Nani empurrou os leões para uma proximidade com Benfica e Porto que, no resto do plantel, não tem paralelo. Tem dependendo do internacional português, com a eficácia ofensiva de Slimani ou Montero, a forma como o Sporting subiu ao terceiro lugar. De resto, Rui Patrício confirma ser o guarda-redes mais influente da Liga, enquanto Paulo Oliveira, Adrien Silva, João Mário ou Carrillo apenas a espaços vão mostrando estar em crescimento para se tornarem realmente efetivos e constantes numa equipa que sonha com o título.

Finalmente, o Vitória de Guimarães merece também algum destaque neste balanço da primeira volta, tendo terminado em quarto lugar. No que toca a plantel, não há pontos de comparação a fazer com os três grandes, os vimaranenses têm um conjunto de jogadores muito jovens que, liderados por Rui Vitória, têm tido a capacidade de ser muito superiores a toda a concorrência que vive abaixo do quinto lugar da tabela. Para além disso, o Vitória mostra vontade de se mostrar competitivo os jogos com os grandes, criando dificuldades a clubes muito melhor apetrechados. Hernâni, Bernard e André André serão os jogadores que merecem especial menção nesta equipa e, muito provavelmente, será dificíl vê-los ficar, para lá do verão, em Guimarães. Termine como terminar esta época, não deverá haver uma ponte para continuar a fazer milagres em Guimarães. A partir daqui, o único caminho será partir do zero e formar novas estrelas.

Miguel Rosa Belenenses

O Belenenses de Miguel Rosa regressou à primeira metade

O SC Braga vê o seu espaço de crescimento afetado pelo rival minhoto, mas o quinto lugar que ocupa tem tudo para ser de segurança e garantir, desta forma, um regresso à Europa. Em relação aos restantes quinze clubes da Primeira Liga ocorre-nos destacar o Rio Ave como a confirmação da época. Apesar de ter passado pela fase de grupos da Liga Europa, o conjunto de Vila do Conde demonstra capacidade para manter elevado ritmo esta época e, para além do sétimo lugar, está ainda nas meias-finais da Taça de Portugal. A revelação é o Belenenses de Lito Vidigal, que tem em Miguel Rosa e Deyverson as suas figuras mais destacadas, mas merece, claramente, nota, o facto de com um plantel frágil este técnico ter voltado a brilhar na nossa Liga. Para terminar, nota ainda para o Moreirense, que subido da Segunda Liga, vai mostrando também um técnico que merece um aplauso pelo realismo e o conhecimento do jogo que tem revelado.

Nas notas negativas, o último lugar do Gil Vicente, apenas com uma vitória na primeira volta, tantas quanto as da Académica, outro plantel que não tem conseguido colocar no terreno o valor que lhe era reconhecido. Também o Vitória de Setúbal merece nota negativa, com Domingos Paciência a ser demitido no final da primeira volta, enquanto o Penafiel vai lutando com as suas limitações por uma manutenção que parece bem complicada.