A jornada inaugural da Premier League parece seguir a mesma linha do final da temporada passada, colocando, desde já, os quatro mais fortes candidatos ao título nos primeiros lugares da competição. Ainda que com alterações nos seus plantéis, Chelsea, Manchester City, Arsenal e Liverpool deixam poucas dúvidas sobre quem são os conjuntos a seguir. Para os Red Devils, a estreia de Louis van Gaal não foi a desejada.

Os Citizens querem mais

Dzeko Man City

Um dos momentos do ano na Premier

Manuel Pellegrini foi campeão na temporada passada, mas não terá ficado satisfeito. Depois de uma época em que foi muitas vezes colocado em causa, o chileno espera agora mostrar que construiu um grupo para durar. Na primeira jornada, viajou até Newcastle para dominar os Magpies, que apesar de terem adquirido Cabella, que promete dar algum espetáculo com o seu estilo rebelde dentro do relvado, não tiveram capacidade para disputar os pontos com o campeão. Dzeko, que já chegou a acordo para renovar o seu contrato com os Citizens, fez um passe de génio para que David Silva abrisse o marcador, perto do final da primeira parte, com Kun Aguero a fechar a contagem no minuto noventa.

Quem também entrou em grande nesta temporada foi o Chelsea. A jogar em Burnley, os Blues quiseram deixar bem claro que o tempo de perder pontos frente aos conjuntos mais frágeis da Premier já passou. Os Clarets até marcaram primeiro, mas José Mourinho tem, este ano, uma equipa para jogar um futebol diferente daquele que nos ofereceu no ano passado. A grande figura deste novo onze é Fàbregas, que a jogar mais recuado, inicia, pensa e executa as jogadas de ataque dos Blues de um forma inspiradora. Diego Costa estreou-se a marcar com a camisola do Chelsea, mas é no segundo golo que se percebe aquilo que se poderá esperar ver muitas vezes: uma movimentação coletiva com o passe do catalão a rasgar a defesa adversária para que Schurrle finalizasse. A ver e rever!

Como explica, Sr. van Gaal?

van gaal

van Gaal saiu de cabeça baixa

O Manchester United bem tentou, durante o mercado de verão, modificar a sua face com vista à nova temporada, mas para Louis van Gaal está reservado um trabalho bem mais complicado do que a simples alteração de nomes no plantel. O holandês experimentou a sua linha de três defesas com um onze ainda muito sujeito a mudanças, tendo que recorrer à formação do United para conseguir ocupar certas posições. As suas fragilidades acabaram por ficar bem à vista e o Swansea aproveitou para começar da melhor forma a Premier League, sacando três pontos em Old Trafford.

Um dos jogos mais interessantes da jornada disputou-se em Liverpool, onde os Reds se preparam para viver a ressaca da saída de Luis Suárez. Com Sterling e Sturridge a assumir o espaço que partilhavam com o uruguaio, Brendan Rodgers lançou P.Coutinho para espalhar imprevisibilidade pelo relvado de Anfield. Como adversário surgiu um Southampton surpreendente, capaz de se regenerar depois da saída de vários dos seus jogadores titulares. Tadic espalhou classe e mostrou que Ronald Koeman pode acreditar numa temporada ao nível daquilo que os Saints completaram na passada época.