Nos sorteios, sabemos, tudo pode sempre acontecer. No entanto, perante o FC Porto, equipa que, por motivos óbvios, tem sido apelidada desde o início da temporada como uma defensora do estilo espanhol em roupagem nacional, teremos nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões o Basel, orientado por Paulo Sousa. Diga-se, reconhecendo a injustiça, que Paulo Sousa é um ilustre desconhecido, como treinador, em Portugal. depois de ter começado nas seleções nacionais, a sua carreira em equipas profissionais foi sempre feita longe do solo luso, no Queens Park Rangers, Swansea e Leicester, passando depois para o lesta da Europa no Videoton, passando por Israel no Maccabi Telavive e chegando, este ano, à Liga Suíça.

Paulo Sousa

Paulo Sousa em afirmação

Olhando a forma de atuar deste Basel, como já se tinha percebido no Maccabi, no ano passado, e no Videoton que, a seu tempo, defrontou o Sporting na Liga Europa, entende-se melhor o título deste artigo. Paulo Sousa é, na sua essência, um treinador português, que transforma as limitações de talento dos seus plantéis em forças, pela organização e pela exploração de capacidades específicas de determinados jogadores à sua disposição. Dito isto, e aceitando como natural um certo alívio do FC Porto por não defrontar um dos “papões” do futebol europeu, fica a dúvida sobre quem se poderá rir do sorteio. A forma como o Basel se deverá fechar e a sua capacidade para olhar o adversário e entender todas as suas fragilidades (outra das “forças” das equipas de Paulo Sousa), poderão acabar por transformar este duelo num sucesso para os suíços.

Monstro encontra Monstro

Sergio-Aguero-Man-City-FC

Aguero vai ser muito preciso

Dois jogos merecem todas as atenções nestes oitavos-de-final. Para começar, o Manchester City voltará a ter uma barreira muito elevada para conseguir chegar longe na Liga dos Campeões, tendo, desta vez, o Barcelona pela frente. Para os catalães, não será tarefa fácil quebrar a linha defensiva dos Citizens, mas Pellegrini precisará de um Kun Aguero no seu melhor para conseguir fazer frente a este adversário. Até fevereiro, tentaremos perceber como recupera o argentino.

Em outro encontro que fará faísca, o Chelsea encontra o PSG. Depois de duas temporadas a conseguir brilharetes na Liga dos Campeões, os franceses poderão ter dificuldades para avançar para lá dos oitavos. O Chelsea não apresenta, este ano, muitas fragilidades para serem exploradas, com um meio-campo, quer defensivo, quer ofensivo, a medir-se com os melhores da competição. Vida complicada para Ibrahimovic, que poderá voltar a cair às mãos do seu amigo Mourinho.

Passes válidos

Nos restantes encontros, poderemos encontrar alguma incerteza sobre se o Borussia Dortmund manterá o bom nível europeu perante uma Juventus sedenta de sucesso, da mesma forma que teremos que avaliar como Arsene Wenger regressará a “casa” para encontrar um AS Monaco que tem em Leonardo Jardim um verdadeiro mago da transformação das fragilidades em forças. Por outro lado, o Atlético de Madrid terá uma tarefa complicada para seguir em frente perante um Bayer Leverkusen que tem, nos seus princípios de jogo, muitas das características que tornaram a equipa de Simeone grande.

Ainda assim, parece claro que, como é costume na Liga dos Campeões, as equipas mais fortes, aquelas que têm “passes válidos” ano após ano, poderão ser consideradas favoritas para seguir em frente, Pelo mesmo tipo de análise, poucas dúvidas restarão quanto ao sucesso do Bayern Munique (perante o Shakhtar Donetsk) ou do Real Madrid (perante o Schalke 04) na próxima fase desta prova.