Este derby apareceu antes de tempo. Ainda bem. Ainda mal.

Ainda bem porque foi um jogo jogado sem a pressão dos últimos anos, onde uma pequena paragem na tabela classificativa, poderia significar uma adeus ao título. Agora ainda estamos demasiado no começo da coisa para que o resultado, qualquer que ele fosse, tivesse grandes repercussões. A não ser que houvesse uma hecatombe. Que não foi o caso. Mas bem que poderia ter sido. Artur, o guarda-redes do SL Benfica, esteve a um passo dessa desgraça. Mas tudo se recompôs. O SL Benfica não se atemorizou, como se chegou a pensar, nem o Sporting se agigantou, como também se chegou a pensar. Bem vistas as coisas, estão ali dois candidatos ao título.

Mas também ainda mal porque, embora tendo sido um bom jogo, perdeu élan, por ter sido realizado em período de férias e correr o risco de ser enquadrado como mais um jogo treino de pré-época (o mercado de transferências ainda a funcionar, as equipas sem saber com que jogadores contar e, muitos deles, ainda sem o apuramento de forma que surgirá lá mais para a frente). Quais dos jogadores em campo ficarão? Quais os que irão partir? Será o adeus de Enzo? De William Carvalho? Estes serão os onze de Benfica e Sporting? E o resultado reflecte o trabalho de Jorge Jesus e Marco Silva, ou é, tão só, a capacidade zero de equipas que estão em fase de experiências?

De qualquer forma, foi um jogo intenso, bem disputado, correcto, que acabou por correr bem melhor ao Sporting CP que ao SL Benfica, porquanto que a equipa da Luz dominou uma parte substancial do encontro. Pelo menos até ao golo de Slimani, e do destrambelhamento de Artur.

Mas o derby diz-nos muito mais coisas.

Que o SL Benfica, em reconstrução, não está tão pobrezinho quanto se dizia. Mas há jogadores a mais, e outros a menos.

Que o Sporting CP, mantendo a estrutura da época passada, não parece assim tão demolidora quanto se dizia. Mas há jogadores em sub-rendimento.

Que Jorge Jesus ainda tem muito trabalho pela frente, mas que, afinal, parece ter matéria-prima para moldar.

Que Marco Silva também tem algum trabalho pela frente, e gerir o plantel em todas as frentes será um deles.

O SL Benfica

O grande problema que o Benfica tinha para resolver, ou melhor, que Jorge Jesus tinha para resolver, era a questão do guarda-redes. Júlio César, o titular da Selecção Brasileira, não veio para o Benfica para ser suplente. Se, à priori, Artur era uma carta fora do baralho, com tanta necessidade em adquirir um guarda-redes, chegou mesmo a falar-se em dois, depois da venda de Oblak e da perca de confiança de Jorge Jesus em Artur, tais as fífias que cometeu no ano passado, e já este ano, na pré-época, tudo se complicou quando Artur passou de besta a bestial e deu algumas vitórias ao Benfica, fosse na Supertaça com o Rio Ave, fosse no grande penalidade defendida contra o Paços de Ferreira, que acabaria por dar os 3 pontos da vitória aos benfiquistas.

Ao oferecer o golo do empate ao Sporting CP no derby de ontem, Artur acabou por resolver um dos problemas de Jesus: no próximo jogo, será já Júlio César a ocupar a baliza das águias.

Artur

Depois do erro que deu origem ao golo do Sporting, Artur passou a ser ovacionado pelos sportinguistas

Mas entretanto, e a poucas horas do fecho do mercado de transferências, Enzo Pérez parece que finalmente fica pelo Benfica. Ao qual se vem juntar Bryan Cristante do AC Milan que o SL Benfica acabou por comprar a título definitivo. Ontem, percebeu-se que André Almeida é uma boa peça a jogar como trinco, mas que não tem, ainda, a solidez de Javi Garcia, Matic, ou mesmo de Rúben Amorim. Mesmo Fejsa dá outro poder ao meio campo. Mas com as lesões a enfermarem o meio-campo benfiquista, Cristante será, talvez, a peça que faltaria ao meio-campo benfiquista, libertando André Almeida para apagar outros fogos que surjam.

Este empate concedido ontem, com os jogos da pré-época na retina, poderia ser uma mais valia. Só não o é porque é em casa contra um concorrente directo, e aí, o Benfica, se quer chegar a algum lado, não pode limitar-se ao empate. Mas se se tiver em conta que este Benfica tem vivido as incertezas de entradas e de saídas, com a responsabilidade de reconstrução de uma equipa quase inteira, este jogo apareceu na altura certa e o resultado não foi assim tão mau quanto à primeira vista parece sugerir. É verdade que o SL Benfica já está a 2 pontos do FC Porto que, entretanto, não perdoou. Mas mantém, também, uma distância de 2 pontos do Sporting CP. Além do que, agora, Jorge Jesus tem algum tempo para, finalmente, moldar a nova equipa e inserir os novos reforços – a Liga só volta no fim-de-semana de 14.

Assim, para além de integrar os novos reforços, reconstruir uma parte do meio-campo (e pensando que o triângulo Enzo-Sálvio-Gaitán se mantém), mas dar também uma vista de olhos à defesa e ao ataque. Jardel é uma boa segunda escolha, figura segura para substituir algum central em caso de necessidade, mas não é o parceiro de Luisão, não é o herdeiro de Garay. Talvez seja altura de experimentar Lisandro Lopez. E, no ataque, Lima está sozinho, tão sozinho que se torna uma depressão vê-lo a correr atrás da bola, sem ninguém a seu lado para o ajudar (e, obviamente, não será Talisca, por melhores indicações que o jovem médio brasileiro tenha dado).

O Sporting CP

O Sporting CP foi a equipa que mais contente ficou com o resultado, com excepção do seu treinador que acha que o Sporting devia / podia ter ganho o jogo. Mas a verdade é que o Sporting entrou na Luz com o epíteto de equipa em ascensão. E não fora a monumental fífia de Artur, e o Sporting poderia ter saído da Luz com uma azia fenomenal.

Vamos por partes. Tal como no ano passado, o Sporting CP está a jogar bom futebol e, mesmo trocando de treinador, mostra que tem um futebol pensado, há uma linha, um fio de jogo. E tem uma boa equipa. Portanto, o Sporting CP é, tal como queria o seu Presidente, candidato ao título.

Mas, para uma equipa que vinha com esse ascendente, esperava-se que dominasse o jogo, coisa que só aconteceu após o golo sofrido pelo Benfica, da forma que foi. Muito bem esteve Slimani, preparado para a antecipação, como convém a um avançado. Só que terá sabido a pouco. É que o Sporting terá estabilizado na equipa, na sua forma e conteúdo, e a entrada de Nani no onze é a sua clara definição. Claro que há jogadores que não estão em forma (Nani, claro, por exemplo), mas o onze deverá ser este. Mais coisa, menos coisa. Por isso se pedia mais a este Sporting de Marco Silva. Porque provem de mais tempo, de mais tarimba, de maior entrosamento.

De todas as formas, e se depois de hoje, William Carvalho e Slimani ficarem na equipa, e tudo acalmar, é de esperar que o Sporting CP consiga essa calma que os campeões denotam.

Será, contudo, no futuro, que se perceberá se, para SL Benfica ou para Sporting CP foram 2 pontos perdidos ou 1 ponto ganho.

Uma coisa é certa, esta Liga terá que contar com 2 candidatos ao título por Lisboa.

Boas Apostas!