Um dos médios mais completos do futebol inglês diz esta época adeus ao clube do seu coração.

25 anos depois da sua estreia com a camisola dos reds, Gerrard despede-se de Anfield Road.

Box-to-Box

Há jogadores que dispensam apresentação e Steven Gerrard é um dos exemplos que faz parte desse lote restrito de lendas do futebol. Mitos que ficarão para sempre ligados à história. No caso do médio inglês, Gerrard marcou uma geração e demonstrou que, no futebol, ainda existe amor à camisola.

Gerrard é um eterno candidato ao lugar de 5º Beatle. Uma das bandas mais emblemáticas do Mundo, que nasceu em Liverpool. O Beatle dos tempos modernos não canta, mas enche os pulmões de liderança e vontade de honrar a camisola dos reds.

Gerrard estreou-se na equipa principal em 1998, com apenas 18 anos de idade. O jovem médio apenas precisou de 4 anos para se tornar uma referência no clube, e um dos capitães da equipa.

Nos 10 títulos que conquistou pelo Liverpool, há um que todas as épocas lhe escapou. Em algumas situações esteve perto, outras nem por isso, mas na época passada, o título da Premier League fugiu-lhe entre os dedos das mãos quando já todos perspectivavam a guarda de honra e o levantar do troféu por parte de Gerrard, o impensável aconteceu. O Liverpool perdeu nas últimas jornadas a possibilidade de se sagrar campeão inglês, 24 anos depois.

Zinedine Zidane protagonizou um dos maiores elogios já feitos a Stevie. O antigo internacional francês afirmou que Gerrard possui uma grande capacidade de passe, desarme e ainda marca golos, mas o mais importante é que oferece aos seus companheiros confiança. Uma característica que não é ensinada nos escalões de formação, nasce de forma intrínseca em cada um de nós, se for caso disso.

Gerrard fundou a ideia de jogo do box-to-box. O médio incansável que corria sem parar e que, onde quer que estivesse, era onde as câmaras se centravam, pois era onde estava a bola. O centro do jogo em pessoa, um poço de força e vontade de vencer. Em Anfield, ou noutro qualquer campo do Mundo, Gerrard conquistava a posse de bola, fazia a equipa subir no terreno, distribuía o jogo e fixava os olhos na baliza adversária onde muitos estragos fez com o seu potente remate.

Box-to-box, um conceito desenhado à sua imagem.

Ídolo

Gerrard cresceu rodeado de uma geração de grande qualidade mas que nunca conseguiu conquistar nenhum troféu internacional pela selecção.

Lampard e Scholes formaram, com Gerrard, um dos trios mais temidos a nível de selecções. O antigo médio do Chelsea assumia o papel de organizador e playmaker e Scholes caracterizava-se pelo estilo discreto, mas eficaz.

O versátil box-to-box inglês combinava o melhor dos dois mundos. Defendia como uma vontade única e atacava como uma enorme precisão. Um box-to-box que se desdobrava em playmaker e em possessor. O gestor do ritmo de jogo, aquele cujo futebol é movido pela força, determinação, inteligência táctica, visão de jogo, liderança, profissionalismo, influência e, acima de tudo, exemplo.

Um jogador respeitado e admirado até pelos próprios rivais, um “querido inimigo”, como José Mourinho lhe chamou.

Qualquer adepto do Liverpool que feche os olhos por alguns segundos consegue imaginar Steven Gerrard em campo, a correr, sem nunca desistir, ou a operar o famoso milagre de Istambul, com o capitão a levantar o troféu da Liga dos Campeões, em 2004/2005.

Para os mais novos, que não se lembram deste episódio, o Liverpool perdia a final frente ao Milan, por 3-0, ao intervalo. Empatando o encontro no segundo tempo e levando a decisão final para o desempate de grandes penalidades. No final, a sorte sorriu aos reds e, Gerrard levantou a tão desejada taça, numa época onde o futebol era mágico e imprevisível, muito longe dos tempos modernos de hoje.

Poucos se podem orgulhar de terem conquistado a Europa como Gerrard conquistou, faltando-lhe apenas ter sido coroado Rei do Império Britânico. Um fenómeno inexplicável, mas que não retira o brilhantismo de um dos melhores jogadores de sempre.

A Kop adora-te porque sabe que, num futuro próximo, ninguém alcançará o teu estatuto de imortal no Liverpool.

Vais dar início a uma nova aventura mas, dentro de pouco tempo, todos sentem que estarás em casa, em Anfield Road, numa das bancadas, a apoiar o teu clube. Quando o You’ll Never Walk Alone entoar bem alto no estádio, muitos se irão lembrar da tua ausência e daquilo que significas.

És um ídolo que nunca caminhará sozinho. Obrigado, Gerrard!

Boas Apostas!