O mês de dezembro e a Premier League é um daqueles pares que qualquer amante do futebol está habituado a ver junto. Mesmo quando um outro elemento recém-chegado ao futebol inglês (vide Louis Van Gaal) se queixa do calendário ou de passar o Natal a trabalhar, a verdade é que o movimento gerado pela sucessão de partidas, especialmente aquelas que vão cair no período do Boxing Day ao Ano Novo, torna a Liga muito mais economicamente bem sucedida do que a sua concorrência.

Assim sendo, disputada a primeira jornada do mês, sente-se que várias equipas vão aquecendo os motores para enfrentar o frio (e muito provavelmente a chuva) com o intuito de mexer a classificação. Analisamos o que espera os principais candidatos e como poderá ficar alinhavada a classificação quando 2015 tomar conta do calendário.

Chelsea

Eden Hazard Chelsea

Quem agarra o Chelsea?

Com seis pontos de vantagem sobre o Manchester City, os Blues são líderes da Liga e esperam manter essa liderança quando chegarem a janeiro. A equipa tem, no imediato, outra vantagem, que é a de não precisar de pontuar sequer no encontro da Liga dos Campeões, onde José Mourinho deverá aproveitar para rodar o seu plantel. Os jogos mais complicados serão disputados entre o Natal e o Ano Novo, quando o Chelsea terá que se deslocar a Southampton e ao terreno do Tottenham. No entanto, talvez a partida mais decisiva seja aquela que os espera já neste fim-de-semana. Numa deslocação a Newcastle, o Chelsea não poderá perder pontos, como aconteceu no terreno do Sunderland. Se vencer este encontro, o mais provável é que entre numa navegação confortável até ao momento em que todos os seus adversários terão também elevados níveis de fadiga acumulada.

Manchester City

Poderiam perguntar a Manuel Pellegrini o que será mais importante para os Citizens no imediato, apostar na Premier League ou garantir a continuidade na Liga dos Campeões? O chileno teria, também ele, dificuldades em responder. No entanto, o encontro mais complicado da equipa neste mês poderá acontecer já este fim-de-semana, com a receção ao Everton. Depois disso, uma viagem a Roma e uma série de jogos onde a equipa não defronta nenhum adversário de topo. Para além do mais, os Citizens também estão fora da Taça da Liga, pelo que terão menos um encontro no seu calendário. Voltando à pergunta a Pellegrini, qual seria mesmo a sua resposta? O técnico não parece ter mesmo muito terreno livre para abdicar de lutas – com o plantel ao seu dispor, os Citizens têm mesmo que ter sucesso!

Manchester United

W Rooney Man Utd

Orgulho dos Red Devils de volta

A onze pontos do Chelsea e a cinco do Manchester City, o Manchester United terá que conseguir garantir o terceiro lugar da tabela e a entrada direta na Liga dos Campeões. Depois de um ano horrível com David Moyes, será isso que estará na lista de exigências a Van Gaal. No entanto, num momento da época em que várias lesões afetam o plantel orientado pelo holandês, o calendário será bastante exigente. Sim, é verdade, não existem competições europeias nem Taça da Liga, também, mas jogando em Southampton, em Birmingham (com o Aston Villa) e em Londres (com o Tottenham) e recebendo o Liverpool e o Newcastle, Louis Van Gaal deveria queixar-se, sim, de o tentarem derrubar com tanta exigência natalícia. Se os Red Devils chegarem a janeiro na mesma quarta posição em que se encontram agora, poderão festejar.

Arsenal

Outro dos candidatos habituais aos lugares da Liga dos Campeões, o Arsenal está, neste momento, a dois pontos do quarto lugar, ocupado pelo Manchester United, pelo que o objetivo de Arsène Wenger estará em ultrapassar esse rival até ao final do ano. O que nos diz o calendário? Que a vida dos Gunners também não será fácil em novembro. A viagem até à Turquia ainda poderá valer o primeiro lugar no seu grupo da Liga dos Campeões, mas talvez essa seja uma luta com a qual Wenger não esteja, no momento, muito preocupado. No entanto, na Premier League, e até dia 1 de janeiro, o Arsenal terá que jogar nos terrenos do Liverpool, do West Ham e do Southampton. Exigência máxima para uma equipa que, habitualmente, sente dificuldades nos jogos frente a concorrentes diretos. Não vale a pena dizer que o lugar de Wenger está sequer em perigo. Mas para que o Arsenal possa manter o seu estilo de vida, vai ser preciso ganhar em dezembro.

As surpresas

Como vão reagir as equipas que, com alguma surpresa, vão resistindo nos lugares cimeiros da Premier League? O Southampton poderá estar a entrar na espiral da queda visto que, depois de duas derrotas, terá que defrontar neste período o Manchester United, o Chelsea e o Arsenal, todos em casa. Para o conjunto de Ronald Koeman vai ser um Natal escaldante. Já o West Ham tem a visita ao Chelsea no Boxing Day e a receção ao Arsenal na mesma semana como confrontos mais exigentes. Para os Hammers, manter-se perto dos lugares europeus é uma possibilidade. Mas, ao mesmo tempo, será bom não esquecer que, para cada surpresa, há uma equipa a tentar recuperar o lugar que sente como seu. Liverpool, Newcastle, Tottenham e Everton estão na linha de fogo para tentar entrar na luta europeia. Até ao início do ano, vai haver muito o que viver no que toca a emoção na Premier League.