A nova época da MLS teve início este sábado.

A liga norte-americana cresceu com as entradas do Orlando City SC e New York City FC, equipas que contam com os experientes Kaká e David Villa, respectivamente. Com estas adições, a MLS passa agora a ter 20 equipas divididas pela série Este e Oeste.

A época de 2014 ficou marcada pela retirada de Landon Donovan e Thierry Henry. No primeiro caso, o avançado dos Estados Unidos terminou a carreira com a conquista da MLS.

Os LA Galaxy venceram na final os NE Revolution. Um jogo que teve de ser decidido no prolongamento apesar do forte favoritismo da equipa de Los Angeles.

Arranque

Arrancou a 20ª edição da MLS com muitas surpresas e jogadores de renome internacional. A ambição renasce e todas as equipas partem para a nova temporada com a confiança renovada.

Um percurso que culminará com a conquista do troféu mais desejado no que toca ao soccer.

Pela primeira vez na história os direitos televisivos foram avaliados em 90 milhões de dólares anuais. Um valor que reflecte a crescente valorização do desporto rei na América do Norte.

Com a passagem de 18 para 20 equipas, os play-off passarão a contar com 6 equipas de cada conferência.

A grande questão que se coloca é se os LA Galaxy serão capazes de defender o título. Apesar da saída de Landon Donovan a equipa continua a contar com Robbie Keane e terá como reforço de Verão, Gerrard. O emblema orientado por Bruce Arena afigura-se como um dos conjuntos favoritos à conquista da prova.

Os Seattle Sounders foram os campeões Supporters Shield, ou seja, da fase regular na temporada passada mas não conseguiram dar continuidade na fase decisiva. Este ano os adeptos têm motivos para estarem confiantes. Martins e Dempsey prometem abanar as defesas contrárias. Prova disso é o golo apontado pelo avançado nigeriano na primeira jornada.

O Toronto, com as contratações de Giovinco, Altidore e a melhoria na defesa também se apresentam como fortes candidatos ao título.

DC United, NY Red Bulls, NE Revolution e Chicago Fire são outras equipas a ter em conta.

A MLS é uma liga competitiva que tem vindo a crescer de forma significativa. Nas últimas 20 épocas, 9 equipas diferentes conquistaram o campeonato e 10 a fase regular.

A média de assistências ronda os 19000 e 20000 adeptos. Números impressionantes que fazem inveja a muitas ligas europeias. Com os estádios cheios de adeptos a puxarem as equipas locais, os jogadores não se poderão queixar da falta de apoio para vencerem os jogos.

Portugueses

São cinco os portugueses que disputam a MLS esta época. Rafael Ramos, lateral-direito, e Estrela, médio-defensivo, vestem as cores do Orlando City. Os dois jovens, cedidos pelo Benfica, são companheiros de Kaká.

Steve Vitória representa o Philadelphia Union depois de não ser opção no Benfica de Jorge Jesus.

José Gonçalves, central, é o capitão dos NE Revolution, equipa finalista em 2014. Paulo Renato, central, actua no SJ Earthquakes.

Os dois centrais entraram na nova época com uma derrota. Os NE Revolution perderam por 3-0 em casa dos Seattle Sounders. Paulo Renato estreou-se com uma derrota frente ao FC Dallas por 1-0.

Steven Vitória empatou em casa contra o Colorado Rapids, num jogo sem golos.

Melhor sorte teve Rafael Ramos que protagonizou uma exibição muito consistente no empate do Orlando City frente ao New York City. Estrela não esteve presente no jogo.

Craques

A crescente internacionalização da MLS é um dos factores impulsionadores do crescimento do desporto nos Estados Unidos.

A chegada de David Beckham aos LA Galaxy, em 2007, contribuiu para o aumento da visibilidade da Liga. Depois dele chegaram outros jogadores como Henry, Juninho, Rafael Márquez, Ljungberg e muitos mais. Craques que tiveram impacto ao nível do prestígio da competição, sendo que muitos deles conseguiram deixar um legado na MLS.

Agora é a vez de Kaká, David Villa, Gerrard, Lampard, Giovinco, Altidore, Martins, David Accam, entre outros, procurarem o seu espaço no corredor do Hall-of-Fame da competição norte-americana.

O médio Kaká já mostrou que continua a ser uma mais-valia para qualquer equipa. O capitão do Orlando City marcou o golo do empate frente ao New York City aos 90 minutos.

A MLS 2015 reúne todos os ingredientes para ser uma competição a não perder. Craques, equipas a evoluírem tacticamente e tecnicamente, estádios cheios e adeptos incansáveis.

Boas Apostas!