Sai Leonardo Jardim e entra Marco Silva. Eis a troca na liderança do Sporting que se adivinhava já há algumas semanas, quando o nome do madeirense começou a ser cogitado pelos dirigentes do AS Mónaco, que souberam atrair o técnico com melhor salário e, sobretudo, mais condições de sucesso, seja na competição interna, seja na Liga dos Campeões. A ecoar na cabeça dos sportinguistas fica a ideia, deixada por Leonardo Jardim numa das últimas conferências de imprensa da temporada, em que afirmou que se o presidente se dizia candidato ao título do próximo ano, então seria necessário criar condições para tal. De alguma forma, esse deixou de ser um problema para Jardim, mas sim, para Marco Silva.

Fazer mais com menos

Marco Silva traz a fama de ser capaz de fazer mais com menos. A sua experiência técnica detém-se no Estoril Praia, equipa onde passou de jogador a Diretor Desportivo e, dos gabinetes, a treinador, devolvendo o emblema da Linha à Liga e levando-o, em épocas consecutivas, à Europa. O Estoril de Marco Silva foi uma equipa capaz de lutar, cara a cara, com os grandes, apresentando um estilo de jogo bastante realista e alinhado com as necessidades da Liga ZON Sagres. Impôs velocidade e ocupação de espaços no momento ofensivo, apostou em médios de cobertura com grande impacto no momento defensivo, teve nas duplas de centrais e no guarda-redes, elementos muito sólidos do seu programa.

Copiar e colar não resulta

É certo que o sistema utilizado por Marco Silva não poderá resultar no Sporting. Ainda que os princípios sejam os mesmos, os Leões precisam de ter um ataque continuado que, no Estoril, sempre que foi necessário, levou a problemas (vide os maus resultados dos canarinhos em casa). Curiosamente, esse foi também o problema do Sporting de Leonardo Jardim, este ano. Daí que o primeiro trabalho de Marco Silva será encontrar uma forma de montar a equipa preparada para enfrentar as defesas duras dos seus concorrentes na Liga ZON Sagres. Se há coisa que é certa é que ninguém ganha o campeonato português sem ter um sistema ofensivo forte e com opções.

Desafio Europeu

O técnico fará a sua estreia na Liga dos Campeões, mas já teve possibilidade, este ano, de ter experiência na Liga Europa. O Estoril Praia saiu-se bem, mesmo não tendo alcançado o apuramento para lá da fase de grupos. Do lado positivo, a atitude da equipa que, na maior parte das situações, não pareceu sentir problemas para defrontar desafios de pressão elevada. Do lado negativo, a assunção que a velocidade de jogo que serve para a Liga portuguesa, não é suficiente para jogar lá fora. Esse é outro dos trabalhos que espera o novo técnico do Sporting. Mais do que ter um calendário mais preenchido, o problema é conseguir preparar os jogadores para enfrentar partidas de velocidade bem diferente.

Temos líder?

Essa será a grande questão sobre o valor de Marco Silva. Qual o seu tipo de liderança e qual a sua capacidade para influenciar um balneário cheio de jogadores com experiência nas respetivas seleções? No Estoril Praia, Marco Silva beneficiou de ser, em primeiro lugar, um elemento da direção, passando para os jogadores a proximidade e influência com a fonte do dinheiro no clube, passando, numa segunda fase, por se afirmar pelos resultados: em equipa que ganha, toda a gente se anima.

Paulo Oliveira Sporting

Paulo Oliveira é reforço para a próxima época

No Sporting, terá desafios para compreender que, em Alvalade, a confiança e a motivação se jogam com milhões, para mais numa temporada em que haverá um aumento das expetativas dos associados. Marco Silva terá que se afirmar como um verdadeiro timoneiro do balneário de Alvalade, podendo depender das suas escolhas para a equipa técnica aquilo que poderá oferecer aos seus jogadores – um bom primeiro impacto será essencial para conquistar a sua equipa.

E os reforços?

Slavchev e Paulo Oliveira são os primeiros reforços do Sporting 2014/15, ainda que tenham chegado sem influência do novo técnico. Perante as necessidades apontadas ao plantel do Sporting, o técnico poderá agora ter papel importante na definição dos extremos, médios e avançados que possam chegar a Alvalade. É possível, também, que o treinador possa fazer uma forte aposta no viveiro de Alcochete, tendo em conta que, em termos de motivação, Marco Silva saberá que será melhor ter jogadores disponíveis a irem para a guerra consigo do que a verem no Sporting um passo mais com destino aos endinheirados da Europa.

Entre a expetativa e a realidade, o verão de Marco Silva será de trabalho. Muito trabalho.

Boas Apostas!