A UEFA resolveu escolher os melhores guarda-redes da cada uma das federações representadas pelo organismo europeu e, da Federação Portuguesa de Futebol, escolheu, como Melhor Guarda-Redes Português de Sempre, o benfiquista Manuel Bento.

No site da UEFA escreve-se: “O falecido Manuel Bento não era um guarda-redes típico. Com apenas 1.73 metros de altura, o número um natural da Golegã compensava com super-reflexos, frieza e atitude destemida. Apelidado de homem de borracha pela sua agilidade, fez 63 jogos pela Seleção de Portugal e jogou no Benfica para lá dos 40 anos. Pendurou as luvas em 1992 com dez campeonatos conquistados com as águias.”

Na Baliza

Desde Michel Preud’homme, guarda-redes belga que defendeu as redes do SL Benfica entre 1994 e 1999, do século passado, que o clube tarda em encontrar um outro guarda-redes à altura da história do clube e dos grandes guarda-redes que foi tendo ao longo dos tempos.

Esperanças foi tendo muitas. A maior de todas elas terá sido, por ventura, o alemão Robert Enke, mas que esteve no SL Benfica somente entre 1999 e 2002, tempo suficiente para marcar, mas insuficiente para se cimentar como um fora-de-série como o clube quereria. Enke foi, depois, para o FC Barcelona.

Entretanto foram entrando e saindo guarda-redes, tal como sempre na vida do clube. Uns deixaram nome. Outros dignificaram o clube. Outros ainda levaram a zaragatas sem sentido. Outros ainda, vieram através de zaragatas.

Mas após olhar para trás, e para tantos e bons guarda-redes que o SL Benfica teve, como Costa Pereira (o guarda-redes das 2 Taças de Campeões da Europa), José Henrique (conhecido pela alcunha de Zé Gato) e o já referido Michel Preud’homme, o maior de todos eles só poderá ter sido Manuel Bento.

Manuel Galrinho Bento nasceu na Golegã, em 1948, e faleceu no Barreiro, em 2007. E ele foi, para muitos, o maior guarda-redes do SL Benfica e de Portugal.

Uma Vida

Manuel Bento começou jovem, aos 15 anos, no Clube Atlético Riachense, agremiação desportiva na zona da sua terra de origem, ali para os lados de Santarém. Treinos nocturnos após dias de intenso trabalho como servente. Ainda passaria, adolescente, pelo Goleganense, o clube da sua terra natal. Deu nas vistas. O Sporting CP quis ficar com ele, mas as coisas não correram bem. Mais tarde, já com 18 anos, foi para o FC Barreirense, na margem sul, viveiro de enormes talentos da época. E foi de lá, do viveiro de enormes talentos futebolísticos que, como muitos outros jovens, passou para o SL Benfica. Estávamos em 1972. Manuel Bento ficaria a viver no Barreiro, onde viveria toda a sua vida, e onde viria a falecer. Mas os anos de glória estavam por vir, e esses seriam vividos no Estádio da Luz, o antigo, para gáudio dos adeptos benfiquistas que gostavam de o ver entre as redes do glorioso.

Manuel Bento

Manuel Bento, um guarda-redes de outros tempos, um guarda-redes para sempre

Bento foi um guarda-redes que deu nas vistas. Exímio defensor de grande penalidades, também se tornou exímio marcador das mesmas. Chegou, inclusivamente a marcar de penalty ao Sporting CP. A quem, também, chegou a falhar. Ms o seu primeiro golo foi marcado de baliza-a-baliza, num lançamento de bola que apanhou desprevenido o guarda-redes adversário. Foi num Barreirense – Académica, estava ele ainda na margem sul.

A partir de 1973 começou a ser titular em alguns jogos do SL Benfica. Aliás, entre 1973 e 1976, Manuel Bento foi alternando com José Henrique, a titularidade nas redes encarnadas. Só a partir de 1976, já com 28 anos, é que Manuel Bento assume, por completo, a titularidade da baliza benfiquista. Nessa mesma altura, torna-se, também, o guarda-redes da Selecção Nacional.

É enquanto guarda-redes da Selecção Nacional que Manuel Bento fez parte daqule grupo excepcional que participou no Campeonato da Europa de 1984, onde Portugal conseguiu o terceiro lugar. Manuel Bento foi considerado o Melhor Guarda-Redes da Competição.

Depois que se tornou dono e senhor das balizas do SL Benfica e da Selecção Nacional, só de lá saiu no seu fim. E esse foi antecipado, quando já com 38 anos de idade, num treino no Campeonato do Mundo de 1986, no México do famoso Saltillo, Manuel Bento partiu uma perna. Acabou por só fazer a primeira partida do Mundial, contra a Inglaterra, a quem Portugal venceu por 1 a 0, com golo de Carlos Manuel. Depois, para os outros 2 jogos da fase de grupos teve de entrar Victor Damas. Portugal perdeu esses 2 jogos, um, contra a Polónia por 1 a 0, e o outro, contra Marrocos, por 3 a 1. Não foi por causa de Victor Damas que Portugal perdeu esses jogos. Mas sentiu-se a falta da voz de comando respeitado de Manuel Bento.

Manuel Bento com a Taça de Portugal

Manuel Bento, com o ex-presidente do SL Benfica, Fernando Martins, ao seu lado, ergue a Taça de Portugal

Depois dessa lesão, Manuel Bento perdeu a titularidade da Selecção Nacional e do SL Benfica. À Selecção nunca mais lá voltou. No SL Benfica continuou e, depois de um ano de recuperação, Manuel Bento tornou-se o segundo guarda-redes, estatuto que manteria até sair da equipa, em 1992.

Manuel Bento foi uma força da natureza que guardou a baliza benfiquista durante os 11 anos em que foi titular, e mesmo nos anos restantes em que emprestou a sua classe à substituição. Esteve 20 anos no SL Benfica

Entre 1985 e 1986, portanto, já na sua fase final, antes da lesão o afastar da titularidade, Manuel Bento esteve 11 jogos consecutivos sem sofrer qualquer golo. Recorde que ainda hoje se mantém.

Ao longo de todos estes anos, Manuel Bento ganhou 8 Campeonatos Nacionais, 6 Taças de Portugal, 2 Supertaças e 1 Taça Ibérica.

E na memória de todos os que gostam de futebol, e tiveram a oportunidade de acompanhar a carreira do jogador há, no meio de uma enormidade de momentos memoráveis na carreira de Manuel Bento, um momento especial.

A Selecção Nacional defrontou a Selecção da Escócia, em Glasgow, em 1980, na fase de qualificação para o Campeonato do Mundo de 1982, em Espanha, onde Portugal acabou por não conseguir estar. Em Glasgow, Manuel Bento fez uma das suas melhores actuações, defendendo tudo o que se deparava à sua frente. Há mesmo um momento em que, estando já no ar, lançado para um lado, Manuel Bento conseguiu inverter a rota em pleno ar e defender uma bola que parecia indefensável. Com este jogo, Manuel Bento foi alcunhado de o Homem de Borracha pelos jornalistas britânicos. E ganhar a imortalidade.

Manuel Galrinho Bento será, provavelmete, o melhor guarda-redes de sempre, do SL Benfica e da Selecção Nacional. E sorte daqueles que o puderam ver jogar.

Boas Apostas!