E de repente temos o cesto cheio.

Basta uma, uma só maçã podre para infectar um cesto inteiro de maçãs bonitas e reluzentes e saborosas. Basta um pequeno e leve contacto e aquela que era uma bela e reluzente maçã, apodrece sem remédio.

É por isso que em casa, as pessoas tendem a deitar fora das suas fruteiras as maçãs que apresentam alguma podridão, para que não contaminem as outras.

E das fruteiras passou-se para a vida real. Há muitas maças a viver e a conviver junto. Há muito contacto entre as pessoas, no trabalho, em casa, na família, na escola, nos partidos políticos. Nos clubes de futebol. E se uma dessas pessoas está estragada, vai contaminar todo o grupo. Às vezes são simples ideias, ideologias. Às vezes são vontades ditadas por gente que tende a ser líder. Outras vezes, ainda, é só porque há oportunidade. A acção certa no momento certo com os intervenientes certos. Ou tudo isto está, afinal, errado. Dito por gente errada.

A última das maçãs podres detectadas, dá pelo nome de Mario Barwuah Balotelli, italiano, de origem ganesa, que joga no Liverpool, em Inglaterra.

Mario Balotelli

Sílvio Berlusconi, personagem controversa, dono do AC Milan, clube onde jogava Mario Balotelli até ao Verão passado, altura em que foi vendido ao Liverpool, afirmou que vender Mario Balotelli foi uma grande ideia, porque o jogador era uma maçã podre que poderia destruir todo um balneário.

Mario Balotelli no Inter

No Inter tornou-se estrela, mas também um enfant terrible

Berlusconi veio ainda dizer que sempre tinha sido contra a contratação de Mario Balotelli para o AC Milan, e que assim ficou muito contente com a saída dele para Inglaterra.

E ainda disse mais, o dono do AC Milan, garantindo que a equipa tinha muitos campeões como Jérémy Menez, Keisuke Honda, Stephan El Shaarawy, Fernando Torres e Nigel De Jong, e que, portanto, não tinha necessidade de uma maçã podre como Mario Balotelli.

Não é de agora a ideia de que Mario Balotelli faz um mau balneário. O próprio jogador gosta de manter esse ar rebelde, de quem está sempre contra, em cima de um muro, prestes a tombar, agressivo, sobre tudo e todos, no campo e fora dele, a arranjar problemas, a conviver com eles, como se precisasse deles para conseguir viver. Mas esta aura de Balotelli só lhe tem trazido problemas e tardam na sua afirmação como um jogador de excepção, passando a maior parte do tempo a ser empurrado de um lado para o outro.

Tão temperamental como bom jogador, Mario Balotelli tem tido muita dificuldade em ficar muito tempo no mesmo sítio. Primeiro Inter, depois Manchester City, AC Milan e agora Liverpool. Sempre grandes clubes, mas também grandes desilusões. Balotelli tem 24 anos e a possibilidade de vir a ser um dos melhores atacantes da actualidade, porque é um jogador muito forte e com bastante habilidade, com grandes capacidades de drible e dono de um potente remate.

Mario Balotelli iniciou-se aos 15 anos a jogar por uma equipa principal de futebol, o AC Lumezzane. Cedo também rumou ao Inter, onde passou rápido pela camadas de formação.

Mas Balotelli foi sempre coleccionando problemas com tudo e todos. Inclusivamente José Mourinho. Ou até, com os seus pais biológicos. Mario Balotelli não tem medo das palavras nem das acções. Mas tem o coração demasiado perto da boca. Às vezes ganhava mais se se calasse.

Correndo o risco de passar ao lado de uma grande carreira, Mario Balotelli tem vindo a gastar todas as oportunidades que lhe têm vindo a ser dadas. Pelos treinadores. Pela selecção. Pelos adeptos. Mas que não haja dúvidas: Mario Balotelli pode ser uma maçã podre, mas é um jogador especial.

João Moutinho

Mas antes de Mario Balotelli se ter transformado numa maçã podre, já o português João Moutinho era acusado pelo presidente do Sporting CP de ser, também, uma maçã podre, que estava a contaminar o balneário sportinguista, e assim poder justificar a saída do jogador para o FC Porto.

João Moutinho no Sporting CP

João Moutinho também foi apelidado de maçã podre pelo presidente do Sporting CP, José Eduardo Bettencourt

José Eduardo Bettencourt, que agora faz parte da equipa de Eduardo Stock da Cunha no Novo Banco que sucedeu ao BES, acusou João Moutinho de ser uma maçã podre. Na sequência, José Eduardo Bettencourt vendeu João Moutinho por 11 milhões de euros ao FC Porto. Provavelmente Moutinho poderia valer mais (seria revendido alguns anos mais tarde, pelo FC Porto, ao AS Monaco por 25 milhões de euros). Por outro lado, João Moutinho foi ganhar no FC Porto os títulos que nunca conseguiu ganhar no Sporting CP. Pouco tempo depois, José Eduardo Bettencourt saiu do clube. João Moutinho é uma das figuras chave do AS Monaco e da Selecção Nacional.

Por vezes as palavras não querem dizer o que querem dizer, mas somente justificar acções que podem parecer difíceis de compreender.

Não consta que João Moutinho tenha o mesmo feitio de Mario Balotelli.

Por outro lado, conhece-se o estilo de Sílvio Berlusconi. Quanto a José Eduardo Bettencourt, continua um desconhecido para a grande maioria das pessoas.

Mas ao contrário dos presidentes dos clubes, há algo que une os dois jogadores: são dois grandes jogadores que, se se perderem, deixarão o futebol mais pobre.

Não parece que isso aconteça a João Moutinho. Está seguro no meio-campo do AS Monaco e é peça fundamental na Selecção de Fernando Santos.

Quanto a Mario Balotelli, que já provou à exaustão que é um jogador de excepção, mas também um poço de problemas, tem de emendar as suas acções, se não quiser ficar a meio de uma carreira de sucesso e glória.

De qualquer forma, Sílvio Berlusconi não será a pessoa mais idónea para chamar o que chamou a Balotelli. E maçãs podres há muitas.

Boas Apostas!