A moldura humana que acorreu ao Caixa Futebol Campus e a (discreta) presença de Jorge Jesus permitiam inferir que haveria algum estimulante inerente à realização do encontro entre a equipa B dos encarnados e o histórico Oriental.

A possibilidade de ver Jonathan Rodríguez pela primeira vez em ação mobilizou os benfiquistas até ao Seixal, hipótese colocada pela imprensa na véspera, referindo que o avançado uruguaio já encantava Jorge Jesus. Numa tarde em que a equipa B foi reforçada por Loris Benito – já com minutos na equipa A – e Rúben Amorim, – à procura de ritmo – o reforço uruguaio, que tem estado a trabalhar longe dos holofotes nas últimas semanas, pegou destaque.

O processo que envolveu a sua transferência ficou marcado por vários avanços e recuos. Pelo meio estiveram as eleições no Peñarol e até declarações de um reputado jornalista uruguaio que colocaram em causa a conduta do jogador. O negócio acabou por se efetivar nos seguintes trâmites: o Benfica adquiriu 40% do passe do jogador de 21 anos, por dois milhões de euros, garantiu um empréstimo de dois anos e meio, e ficou com hipótese de comprar os restantes 60% quando este período terminar.

Com concorrência de Lima, Jonas e Derley no plantel principal, após algumas semanas de trabalho, a estreia em Portugal surgiu pela mão de Hélder Cristóvão, na equipa B. Muito provavelmente, Jonathan extrapolou a expetativa do adepto que se deslocou ao centro de estágios do Benfica. O bis que rubricou revestem a estreia do charrua de um cariz promissor.

Ao ser apresentado enquanto reforço, Jonathan já se havia definido: “Sou rápido, potente e explosivo”. Quanto ao seu potencial, nota para o facto de ter sido reiterado por duas figuras de autoridade: Luís Suárez e Cavani. De resto, quando comparado pela imprensa a El Pistolero, o próprio jogador declarou que “aos 21 anos, não tinha o potencial que Jona atualmente demonstra”.

A Estreia Nacional

Em domingo de estreia, Jonathan assumiu a titularidade na frente de ataque de uma equipa à procura de responder à derrota averbada a meio da semana na Covilhã. E porque a psicologia nos diz que a primeira impressão é a que fica, Jonathan fez questão de se apresentar no melhor registo possível. Embora inserido numa equipa em que naturalmente não goza do entrosamento que gostaria, procurou sempre jogo e integrar-se na manobra ofensiva. Os primeiros momentos em que Jonathan esteve em evidência surgiram na sequência de bolas longas na tentativa de lhe explorar a velocidade, caraterística que desde logo merece ser reconhecida ao uruguaio.

SL Benfica 3 - 0 Clube Oriental

Jonathan Rodríguez chegou, viu e venceu e bisou na sua estreia nacional, frente ao Oriental, em que o SL Benfica ganhou por 3 a 0

Com bola, Jonathan foi naturalmente algo egoísta, ou não estivesse em dia de estreia numa insaciável procura por se mostrar. Essa necessidade redundou nalgum nervosismo patente nas ações que levou a cabo, mas ao longo da partida foi conseguindo melhorar a esse nível.

Do primeiro tempo, ficam na retina dois lances em particular: um em que Jonathan tenta ultrapassar o adversário perto da linha, e outro em que conduz para espaços interiores à procura da melhor posição para alvejar a baliza contrária. Ambos os lances terminaram em falta. Sob marcação apertada, quando solicitado pelos companheiros, também procurou sempre entregar jogável.

Já na etapa complementar, com o marcador a assinalar a vantagem do Benfica pela margem mínima sobre a hora de jogo, tempo para Jonathan brilhar. O avançado oriundo do Peñarol protagonizou um lance fiel ao que os seus vídeos no Youtube mostraram aos adeptos do Benfica. Após bola pontapeada pelo guarda-redes Miguel Santos, Jonathan envolveu-se numa corrida desenfreada, superou o marcador direto, deu um toque de peito de forma subtil, e atirou de pé direito para o fundo da rede. Potência, domínio eficaz e facilidade na finalização. Estreia a marcar de águia ao peito na primeira oportunidade flagrante de que dispôs, num lance que colocou em evidência a sua capacidade física.

Já com JJ na bancada após ter deixado o recanto entre a vegetação adjacente ao campo no qual as câmaras da BTV o focaram, Jonathan Rodríguez fez questão de convidar os adeptos a celebrarem novo golo. Sempre num registo desconcertante, com resquícios de um futebol rebelde, muito sul-americano, apareceu na área contrária sem pedir licença e cabeceou com grande agressividade para o fundo da malha. O próprio colega de equipa Vitor Andrade ficou surpreendido com a abordagem de Jonathan ao lance, que saltou nas costas do adversário, no timing correto, não dando hipóteses ao guardião contrário.

Estreia agradável que culminou com um bis.

Jonathan apresentou-se num registo que facilmente agrada o adepto. Lutador, disponível, entusiasmante e carregado de garra. Bons apontamento deixados por uma unidade que poderá conferir novas dinâmicas ao ataque da equipa sob tutela de Jorge Jesus.

Ficha Técnica

Nome completo: Jonathan Javier Rodríguez Portillo

Data de nascimento: 06/07/1993

Local de nascimento: Florida, Uruguai

Altura: 1,81m

Pé: Direito

Posição: Avançado – Ponta-de-lança

Boas Apostas!