O ano de 1994 remete-nos, futebolisticamente, para o Mundial dos Estados Unidos.

Depois das presenças nas fases finais no Campeonato do Mundo de 1990 e no Europeu de 1992, a Escócia falhou o apuramento para o torneio de 94 e Andy Roxburgh abandonou o cargo de selecionador.

No decurso desse mesmo ano, a família Harper trocou a chuvosa Escócia pelo calor de Fuengirola, no sul de Espanha. Nas imediações de Málaga, local onde se fixaram, nasceu o segundo filho do casal, no ano de 1996: Jack Harper.

Inseridos na realidade castelhana, o gosto pela bola reforçou-se. O filho mais velho, Ryan Harper, iniciou o seu trajeto nos escalões de formação do Fuengirola. Hoje, com 27 anos, constatamos que Ryan estava condenado à modéstia e a um percurso restringido a equipas de escalões secundários. Não obstante, em declarações à imprensa escocesa, traça destino diferente no que concerne à carreira do irmão, acreditando que chegará ao pedestal mais elevado do futebol espanhol.

A família Harper atesta a verdade do dito popular “No Meio É que Está a Virtude”. Jack Harper é o filho do meio, e tem revelado grande apetência dentro das quatro linhas.

O talento evidenciado desde tenra idade por um miúdo que alinhava com as cores do Los Boliches não passou em claro aos olheiros enviados de Valdebebas que fizeram questão de o levar, a título experimental, até à capital espanhola. O Sevilha ainda se tentou antecipar e jogou com a proximidade geográfica do lar de Jack, mas o peso do emblema do Real Madrid acabou por ser determinante.

Esteve três semanas à experiência nos blancos. Convenceu os responsáveis técnicos e alargou a estadia no centro de Espanha por mais um ano. A partir daí, exceção feita às férias, nunca mais voltou ao sul do país.

Jack Harper no Real Madrid

Desde cedo que Jack Harper despertou o interesse do Real Madrid, e a UEFA Youth League tem sido uma boa montra

O Real reconheceu valor em Harper e quis assegurar o seu concurso definitivo. Cresceu gradualmente, soberanamente acompanhado na academia merengue. O seu período de maior evidência coincidiu com a altura em que o futebol de formação ganha contornos mais sérios: enquanto juvenil.

Presença assídua nos escalões jovens da seleção escocesa, optou por defender o escudo da pátria que lhe corre no sangue, honrando a sua família.

Os golos foram surgindo e o Real ofereceu-lhe novo contrato. Neste momento, o canterano de ascendência escocesa tem vínculo para os próximos três anos. O privilégio de crescer no seio de um clube como o Real Madrid é enaltecido pelo próprio jovem. Reconhece os esforços encetados pelo clube no sentido de oferecer todas as condições necessárias à sua formação, e tem em Gareth Bale e Cristiano Ronaldo duas personalidades inspiradoras.

Santiago Sánchez, um dos seus primeiros treinadores no clube, coloca a fasquia elevada: “Tem um talento imenso e boa margem de progressão. Acredito piamente que chegará à equipa principal do Real Madrid”.

No escalão de juvenis, evidenciou apetência para o golo sob as ordens de um homem que tantas vezes fez com a bola se anichasse no fundo da rede adversária: Fernando Morientes. Este ano, enquanto júnior, as responsabilidades são acrescidas. Tentar conquistar um lugar entre uma constelação de estrelas é uma realidade cada vez mais próxima, e Harper não conta parar pelo Real Madrid Castilla. A UEFA Youth League constitui uma excelente oportunidade para demonstrar o seu valor. Numa altura em que a fase de grupos da prova está a uma jornada do fim, leva um total de três golos e três assistências. Facilmente constatamos que a esperança escocesa tem sido uma das boas sensações deste arranque de prova.

Perfil

Jogador de caraterísticas ofensivas, atua preferencialmente na frente de ataque. Fisicamente forte, estamos perante um atleta interessante para a idade, com cerca de 1,85m e 70 kg.

Jack Harper é um avançado móvel, muito ativo no último terço e com um raio de ação considerável. Denota qualidade técnica, que concilia com a velocidade que lhe é característica tanto em deslocamento como a nível da execução. Demonstra apetência no capítulo da condução, algo que lhe permite pegar no jogo a partir de zonas mais recuadas. É comum vê-lo entrar em combinações com os colegas, procurar tabelar para depois finalizar de forma letal. Revela facilidade em jogar com ambos os pés, e destaca-se pelo bom sentido de baliza. O ADN britânico confere-lhe um cariz letal respeitante à finalização, naturalmente uma das suas principais caraterísticas. Inteligente, obriga os defesas contrários a despenderem atenção redobrada em função do seu sentido arguto na procura de espaços para receber a bola jogável. Atravessa uma fase importantíssima do seu percurso, de amadurecimento, e a participação na UEFA Youth League é conducente ao desenvolvimento, atendendo ao facto de permitir atuar em contextos mais exigentes. A espaços, poderá também entrar nas convocatórias de Zinedine Zidane para o Castilla, num cenário competitivo que beneficiará igualmente o seu futebol.

Jack Harper na Selecção da Escócia

Embora nascido em Espanha, Jack Harper desde cedo optou pela Selecção da Escócia, a terra da sua ascendência

O portal Goal colocou recentemente Jack Harper entre os 50 jovens sub-18 mais promissores da atualidade e, na Escócia, tem suscitado bastante expetativa. De resto, a sua geração – a mesma de Ryan Gauld, do Sporting – é tida em boa consideração pelos adeptos britânicos.

O europeu de 2016 terá lugar no ano em que Harper completa 20 primaveras. Inserida no mesmo grupo de qualificação que Alemanha, Polónia e República da Irlanda, marcar presença na fase final não se afigura tarefa fácil para a seleção escocesa. Falar na chamada de Harper para compromissos de qualificação talvez seja, de momento, algo bastante prematuro. No entanto, fica a certeza de que Jack Harper faz parte do futuro da tartan army.

Ficha Técnica

Nome: Jack Harper

Data de nascimento: 28 de Fevereiro, 1996

Naturalidade: Málaga, Espanha

Nacionalidade: Escocesa

Posição: Avançado

Clube: Real Madrid CF

Boas Apostas!