Afinal, para que servem os handicaps? Seja por estas ou por outras palavras, esta é uma questão comum, colocada sobretudo por quem se inicia no mundo das apostas desportivas.

Saber interpretar cada mercado é essencial. Os handicaps, ao contrário do que possa parecer à primeira vista, não são um “bicho de sete cabeças”. As próximas servirão para desmistificar as principais questões associadas aos handicaps.

Primeiro que tudo, atentemos na génese do conceito de “handicap”. O termo inglês significa vantagem ou desvantagem ou, se quisermos, o ato de dar vantagem ou atribuir desvantagem.

Ora, no mundo das apostas, os mercados de handicap não fogem em nada a este conceito: o apostador escolhe determinada equipa e ou lhe atribui vantagem, ou faz o inverso e lhe atribuiu uma desvantagem. De uma forma lógica, as desvantagens (assinaladas com o sinal de “-“) são atribuídas ao favorito, ao passo que as vantagens (assinaladas com o sinal de “+”) são atribuídas ao “underdog”.

Vejamos um exemplo concreto. Imaginemos que o Bayern de Munique, líder da Bundesliga nessa circunstância e a atravessar um bom momento, se prepara para medir forças com o “lanterna vermelha” Mainz. As odds disponíveis no mercado de 1×2 para apostar no Bayern decerto que não serão apelativas. Se o jogador acreditar que o Bayern vencerá o desafio por uma margem superior a um golo de diferença, poderá optar por apostar num handicap, ao atribuir uma desvantagem. Nos mercados de handicaps asiáticos, as “linhas” (margens) não correspondem a números inteiros. Por exemplo, se for selecionada a opção Bayern -1.5, a aposta será ganha se os “Bávaros” vencerem por pelo menos dois golos de diferença. Coloquemos agora outro cenário. O apostador acredita que o Mainz, de forma improvável, vai dar boa luta ao Bayern de Munique. Se optar pela opção Mainz +1.5, há três hipóteses para que a aposta seja ganha – vitória do Mainz, empate ou derrota pela margem mínima.

Uma vez familiarizados com o conceito, importa distinguir dois tipos de handicap:

  • Handicap Asiático
  • Handicap Europeu

Seja qual for a tipologia do handicap (asiático ou europeu), o fundamento é sempre o mesmo: retirar ou atribuir um golo a determinada equipa a entrada para uma partida. Ou seja, a partir do momento que escolhemos um handicap, uma equipa ou entra em vantagem, ou em desvantagem no encontro.

Entre o handicap asiático e europeu, há duas grandes diferença para além da tipologia das “linhas”.

No Handicap Asiático, só existe a hipótese de apostar numa das equipas em confronto (ou seja, 1 ou 2), ao passo que no Handicap Europeu é possível apostar no empate – por outras palavras, ao associar o handicap ao empate, o apostador joga na margem de vitória. Vejamos: Empate +1 – a aposta e ganha caso haja derrota ou vitória por exatamente um golo de diferença. Essa possibilidade não existe no Handicap Europeu.

A outra grande diferença diz respeito às devoluções. Recuperemos o exemplo do encontro entre Bayern de Munique e Mainz. O apostador decide investir no handicap -1 associado ao Bayern de Munique, ou seja, atribui à equipa a desvantagem de golo. Tanto no handicap europeu quanto no asiático, o Bayern deve vencer por uma margem superior a um golo de diferença para que a aposta seja ganha. No entanto, se vencer por apenas um golo de diferença, no caso do Handicap europeu, a aposta é perdida. Se a opção for Handicap Asiático, o valor investido é devolvido ao apostador.