Felipe Aliste Lopes é uma cara bem conhecida dos adeptos portugueses. A primeira experiência no futebol nacional remonta à temporada 2007/08, quando chegou a Funchal proveniente do Anderlecht para assinar contrato com o Nacional. Manteve-se ao serviço dos insulares até dezembro de 2012, chegou a utilizar a braçadeira de capitão e depois de muito se ter falado sobre o alegado interesse do Porto nos seus serviços, rumou à Bundesliga para abraçar o projeto do Wolfsburg. Em julho de 2014, depois de já ter estado ao serviço do Estugarda por empréstimo, o defesa central encarou um problema muito maior que a necessidade de travar o mais talentoso dos adversários. Quando se preparava para assistir ao encontro entre Brasil e Holanda do campeonato do mundo, já em solo alemão, sentiu uma grande indisposição e contactou de imediato Michele Putaro, fisioterapeuta do clube que ao aperceber-se da dimensão do problema, solicitou socorro médico. Felipe Lopes sofreu um “acidente vascular cerebral isquémico transitório”  – comummente conhecido por “mini-AVC” – devido à falta de irrigação sanguínea no cérebro.

Foto: www.vfl-wolfsburg.de

Foto: www.vfl-wolfsburg.de

A situação levou o jogador ao bloco operatório e a uma interrupção na carreira futebolística que se prolongou durante 14 meses. Em fevereiro de 2015, Felipe Lopes regressou à atividade no centro de treinos do Wolfsburg, iniciando a sua recuperação em termos físicos com alguns exercícios leves, tomando as devidas precauções para não comprometer a recuperação de um problema que lhe afetou a visão do olho esquerdo, sequela transitória segundo os médicos que acompanharam o caso. Só em meados de março do mesmo ano recebeu “luz verde” para voltar a jogar futebol, optando por permanecer no Wolfsburg, mas o azar não quis deixar o jogador brasileiro. Esteve no banco de suplentes em pelo menos três jogos do campeonato alemãi segundo os dados do portal “Transfermarkt”, mas uma fractura do metatarso voltou a atrapalhar o regresso à competição de alto nível, situação que deitou a perder boa parte do trabalho de recuperação que já tinha sido realizado até então. A 14 de maio de 2016, Felipe Lopes subiu ao relvado da Wolkswagen Arena acompanhado pelo diretor desportivo do Wolfsburg Klaus Aloffs, recebendo uma intensa ovação em jeito de despedida, como forma de reconhecimento por parte dos adeptos pelo trabalho de recuperação efetuado pelo atleta, que só disputou 14 jogos com a camisola do Wolfsburg. Terminada a ligação ao clube alemão, optou por dar novo rumo à carreira, privilegiando uma opção que sempre deixou em aberto quando confrontado pela imprensa: Regressar ao futebol português.

Aos 28 anos, Felipe Lopes assinou contrato com o Grupo Desportivo de Chaves válido por uma época, estabelecendo-se em Trás-os-Montes para relançar a carreira. O percurso do central brasileiro ao serviço do Nacional faz com que a sua transferência para Chaves constitua uma das movimentações mais mediáticas do defeso em solo português. Na plenitude das respetivas capacidades físicas, Felipe Lopes tem todas as condições para assumir o comando do setor recuado do Chaves, que estará às ordens de Jorge Simão na nova temporada. Recentemente, no encontro amigável com o Famalicão, foi titular no eixo defensivo juntamente com Miguel Oliveira.

Boas apostas!