Sugerir atualização
Tem mais informação sobre Inter de Milão?

Sugira aqui uma actualização

Sugerir

estadio giuseppe meazza
Giuseppe Meazza
  • País: Itália
  • Cidade: Milão
  • Capacidade: 80.000

Ver ficha

Football Club Internazionale Milano nasceu na cidade de Milão no inicio do ano de 1908, quando um grupo de 44 pessoas abandonou o Milan Cricket and Football Club depois de divergências com a direcção relativamente aos estrangeiros permitidos no plantel da equipa. Dando jus ao nome, o Inter de Milão rapidamente se impôs no futebol italiano e com uma equipa aberta a todas as nacionalidades conquistaram o seu primeiro título de campeões italianos em 1909/10.

Depois desta conquista o Inter viria a conquistar o seu próximo título novamente na viragem da década, na época 1919/20, estando depois disto à beira da descida de divisão na época de 1922/23, sendo salvo da descida pela Federação Italiana de Futebol que, para não lhes causar um rombo financeiro, desceu o Venezia no seu lugar. As coisas ficaram ainda piores quando em 1928, sob o governo do Mussolini foram obrigados a unificarem-se com o Unione Sportiva Milanese, passando assim a adoptar a denominação de Ambrosiana SS Milano que no espaço de três anos seria por duas vezes alterada, primeiro para AS Ambrosiana, em 1929, e em 1931 para o definitivo AS Ambrosiana-Inter. Esta denominação perduraria no clube até final da 2ª Guerra Mundial, tendo nesse período a equipa conquistado os campeonatos italianos de 1937/38 e 1939/40, e ainda, na temporada intermédia de 1938/39 a sua primeira Taça de Itália. Apesar de complicado, este período da história do Inter foi também marcado, pela positiva, pela presença no plantel de Giuseppe Meazza, que lá permaneceu desde 1927 e 1940, tendo nesse período jogado 391 jogos e marcado 282 golos.

Giuseppe Meazza

Giuseppe Meazza, que é a lenda maior do Inter de Milão e uma das maiores de todo o futebol italiano.

A década de 40 não trouxe ao Inter nenhum título, o que muito foi motivado pelo facto do ídolo Giuseppe Meazza ter deixado a equipa, mas também pela paragem de duas épocas do campeonato italiano nas temporadas de 1943/44 e 1944/45 devido à 2ª Guerra Mundial. Após a passagem da turbulência e o início da década de 1950 o Inter procurou vingar-se do longo jejum em que vinha, tendo conquistado em forma de bis os seus 6º e 7º títulos de campeão nacional nas temporadas de 1952/53 e 1953/54. Depois deste bis o Inter voltaria a estar perto de conquistar mais um título na época 1958/59 quando atingiu a final da Taça de Itália, sendo no entanto derrotado pela Juventus.

Foi então já na década de 60 qua o Inter começou a ganhar o apelido de Grande Inter, quando começou por conquistar o título da Serie A em 1962/63 que lhe valeu a sua primeira qualificação para a disputa da Taça dos Campeões Europeus. Este seria então um dos melhores começos de sempre de uma equipa na prova rainha da Europa, visto que depois de eliminar equipas como o Mónaco, o Dortmund ou o Partizan, o Inter de Milão venceu na final, por 3-1 o Real Madrid, conquistando assim o título de campeão europeu na sua primeira participação numa prova internacional. Já no campeonato, nesta temporada de 1963/64, a equipa não conseguiu renovar o título de campeã nacional, ficando ainda assim com o 2º posto que lhes garantiu mais uma presença na Taça dos Campeões na época seguinte. No final do ano de 1964, no seguimento do título de campeão europeu, o Inter viria a disputar a Taça Intercontinental, ou Campeonato do Mundo de Clubes, que venceria também, este diante do Independiente. Na temporada de 1964/65 a história gloriosa do Internazionale prosseguiria, tendo vencido três das quatro provas que disputou nesse ano. A quebra de forma aconteceu apenas na Taça de Itália, onde voltaram a ser derrotados pela Juve na final. Ainda assim, seriam 1ºs no campeonato, garantindo também mais um título de campeões europeus desta feita por vencerem o Benfica por 1-0 na final da Taça dos Campeões Europeus, cujo o título mais uma vez lhes valeu a participação na Taça Intercontinental, que venceriam novamente sobre o Independiente. Depois destes tempos áureos, até ao final da década de 60 o Inter conquistaria mais um campeonato nacional, na época 1965/66 e disputaria no ano seguinte mais uma final da Taça dos Campeões Europeus, onde desta vez seria derrotado pelo Celtic de Glasgow.

Novo título do Inter viria aparecer já no início da década de 70, mais precisamente na temporada 1970/71 quando voltaram a vencer a Serie A, qualificando-se assim novamente para a disputa da Taça dos Campeões Europeus da temporada de 1971/72, quando voltaram novamente a ser derrotados na final, desta vez foram derrotados pelo Ajax de Johan Cruijff. Na Serie A esta foi mais uma década em que o conjunto do Inter foi superiorizado por equipas em melhor forma, tendo apenas conquistado, até ao início dos anos 80, uma Taça Itália, na época 1977/78, e um campeonato, na temporada de 1979/80.

Na década de 80 repetiu-se a história dos dez anos anteriores, com o Inter a manter-se classificado na metade superior da tabela do campeonato, tendo conquistado apenas dois títulos, primeiro na Taça de Itália, em 1981/82, seguindo de mais uma Serie A em 1988/89. Com este título conseguiram voltar a disputar a Taça dos Campeões Europeus na época 1989/90, tendo no entanto caído logo na 1ª fase da prova. Ainda assim, e apesar de ter falhado a conquista do título da Serie A durante toda a década de 90, logo nesta primeira temporada o Inter venceu a Supertaça Italiana. Na temporada seguinte, com o 3º lugar na Serie A, o Inter garantiu um lugar na disputa da Taça UEFA de 1990/91, que viriam a vencer pela primeira vez ao derrotarem a Roma na final, depois de pelo caminho terem deixado o Partizan, o Aston Villa, o Atalanta e o Sporting CP. Este título seria ainda repetido por mais duas ocasiões na última década do milénio, tendo a 1ª acontecido na temporada 1993/94, depois de vencerem o Salzburgo na final. O 3º e último triunfo nesta prova durante a década de 90 aconteceu na temporada de 1997/98, tendo desta vez derrotado a Lazio na final.

Luís Figo e José Mourinho, dois portugueses preponderantes na última conquista da Liga dos Campeões por parte do Inter.

Luís Figo e José Mourinho, dois portugueses preponderantes na última conquista da Liga dos Campeões por parte do Inter.

Já no novo milénio o clube começa a melhorara a suas performances no campeonato nacional, visto que não venciam a Seria A deste a temporada de 1988/89, mas o primeiro título dos anos 2000 aconteceu na temporada 2004/05 quando venceram mais um Taça Itália. Este título seria repetido também no ano seguinte, quando o clube venceu também a Supertaça e ainda o primeiro de cinco campeonatos italianos consecutivos. Este penta aconteceria então entre as temporadas 2005/06 e 2009/10, sendo esta a época mais dourada de toda a história do Inter de Milão que, como José Mourinho no cargo de treinador venceu o campeonato, a Taça de Itália e a Liga dos Campeões (derrotando por 2-0 o Bayern de Munique na final), título este que lhes valeu mais uma participação na disputa do Campeonato do Mundo de Clubes, que venceriam também, tendo esta última prova sido já vencida com Rafa Benítez no cargo de treinador após a ida de Mourinho para o Real Madrid.

Deste o penta campeonato da Serie A e da saída de Mourinho da equipa, que o Inter não voltou a ser o mesmo, tendo a sua melhor temporada desde então sido a de 2010/11, quando conseguiram o 2º lugar no campeonato e venceram a Taça de Itália e a Supertaça Italiana. Desde então, após várias mudanças de treinador, o Inter foi nas temporadas 2011/12 e 2012/13 6º e 9º classificado o que vai nada de acordo com o padrões e raízes gloriosas do clube.

Já no início do ano 2014 a maioria das acções do Inter foi comprada por um empresário milionário indonésio, de seu nome Erick Thohir, que promete virar o rumo dos acontecimentos no clube, tendo para já assegurado as contratações de Hernanes, da Lazio, e Nemanja Vidic, do Manchester United.