Sugerir atualização
Tem mais informação sobre Arsenal?

Sugira aqui uma actualização

Sugerir

emirates
Emirates
  • País: Inglaterra
  • Cidade: Londres
  • Capacidade: 60.365

Ver ficha

Fundado em 1886, com o nome de Dial Square, o clube dos trabalhadores do arsenal real britânico foi renomeado pouco tempo depois para Royal Arsenal. Nas suas origens, o clube estava situado no sul da capital, onde angariava poucos adeptos. Isso não o impediu de chegar à Segunda Divisão em 1893 e conseguir a promoção para a divisão principal em 1904. No entanto, as dificuldades financeiras levar a equipa à bancarrota e em 1910 foi comprado por Henry Norris e William Hall. Depois de ter regressado à Segunda divisão, em 1913, o clube mudou-se, finalmente, para o norte da cidade, onde ocupou o Estádio de Highbury e adotou o seu nome atual, Arsenal FC.

Em 1925, o Arsenal viria a tomar uma decisão história para o seu futuro, contratando Herbert Chapman para manager. O técnico vinha de ser bi-campeão nacional com o Huddersfield e era já conhecido por recorrer a táticas inovadoras no mundo do futebol. Foi esse conhecimento que Chapman trouxe para Highbury, transformando a cultura do clube e tornando-o vencedor. Uma Taça de Inglaterra em 1930 e dois títulos, em 1931 e 33, foram os derradeiros títulos de Chapman, que viria a morrer, no ano seguinte. Os seus adjuntos continuaram o seu trabalho e voltaram a ser campeões em 34, 35 e 38, para além da Taça em 1936. Depois destes títulos, a interrupção na competição causada pela II Guerra Mundial não viria a impedir a equipa de continuar na senda das vitórias. Já com Tom Whitakker como responsável técnico, o Arsenal voltou a ser campeão em 1948 e 1953, vencendo também a Taça em 1950. Com os melhores jogadores destas gerações a abandonar a carreira e sem capacidade para contratar substitutos à altura, o clube passaria uma década de seca, só voltando aos títulos na década de 70.

Wright Arsenal

Ian Wright, um dos mitos do Arsenal

Sob o comando técnico de Bertie Mee, um antigo fisioterapeuta, a equipa do Arsenal começou a caminhar de regresso às vitórias que lhe haviam fugido durante mais de dez anos. Em 1970 venceu a Taça das Cidades com Feira (antecessora da Taça UEFA), e no ano seguinte conquistou a sua primeira dobradinha, somando Liga e Taça de Inglaterra. No entanto, a fama de perdedores ameaçava o clube londrino, que somou dois segundos lugares e três derrotas em finais de Taça até voltar a vencê-la em 1979. No ano seguinte, 1980, o Arsenal chegou à final da Taça das Taças mas acabou derrotado.

O período de sucesso seguinte ocorreu com George Graham como técnico. Os títulos de 89 e 91, com a Taça e a Taça da Liga em 1993 e um título europeu em 1994 levaram o Arsenal a ser considerada uma das grandes equipas do momento. David Seaman, Tony Adams, Paul Merson e Ian Wright faziam as delícias dos adeptos de Highbury. No entanto, esta geração viria também a ficar marcada pela negativa, com escândalos pessoais a afetar a imagem de treinador e alguns jogadores. Para combater os efeitos negativos acumulados por essa fase menos boa, foi contratado Arséne Wenger, em 1996, e a cultura do balneário do Arsenal mudou completamente.

Henry wenger arsenal

Henry apresentado por Wenger

A mudança mais evidente teve que ver com a chegada de um grande número de jogadores estrangeiros, tornando o Arsenal numa das equipas mais continental do futebol inglês. O clube conquistou dobradinhas (Liga e Taça) em 1998 e 2002, conquistou a Taça de Inglaterra ainda em 2003 e 2005 e conquistou a Liga em 2004 sem averbar nenhuma derrota. Era a época de Thierry Henry, Robert Pires, Patrick Viera, Dennis Bergkamp e Frank Ljungberg, estrelas de um conjunto que praticava um futebol fenomenal e de quem se esperava um alargado domínio na competição. Mas 2005 marcou mesmo o último título conquistado pelo Arsenal.

Apesar de Arséne Wenger se manter como treinador, o clube está há oito anos sem vencer nenhuma competição, apesar de somar presenças no pódio da Premier League e uma final da Liga dos Campeões, em 2006. Esse foi também o ano da mudança de estádio, para o novo Emirates, onde atualmente a equipa evolui, a sonhar com o regresso à glória de outros tempos, apesar de ser um cliente regular da principal competição europeia.