Após quatro jornadas disputadas na Liga NOS, os quatro principais conjuntos já se destacaram na tabela classificativa, com Sporting na frente, Braga e Benfica a dois pontos e o FC Porto a três de distância. Ao mesmo tempo, podemos já fazer uma pequena análise dos comportamentos de equipas que estarão no radar da Europa, colocando o seu esforço no objetivo de terminar no quinto lugar.

A equipa que parece destacar-se mais nesta corrida é o Vitória de Guimarães, que já conta com duas derrotas, mas sofridas às mãos de Braga e FC Porto. Vitória de Setúbal, Rio Ave e Belenenses são outros conjuntos a clamar por atenção.

Pedro Martins é passageiro habitual

rafael-miranda-vit-guim

Rafael Miranda é líder no meio-campo vimaranense

Esta seria a pior semana para falar do Vitória de Guimarães, por ter saído derrotado por 0-3 da visita ao Estádio do Dragão, mas a verdade é que neste jogo Pedro Martins deixou bem claro porque é que o seu Vitória é um forte candidato ao quinto lugar. Abordando a partida como um igual ao FC Porto, sentiu dificuldades pela novidade lançada por Nuno Espírito Santo, com Depoitre e André Silva na frente, mas não abdicou de defender as suas ideias. Baseado no posicionamento de Rafael Miranda, um jogador que conhece profundamente as ideias do seu treinador, e promovendo João Pedro para substituto natural de Cafu, a solidez do meio-campo vimaranense é a base de um ataque que tem muita gente disponível para criar oportunidades de golo.

Tiquinho Soares tem sido o titular na frente de ataque, com Marega a também ser uma presença regular. No entanto, será bom lembrar que estão de volta a Guimarães jogadores como Bernard e Hernâni, o que faz crescer as opções do treinador para a frente de ataque. No Dragão, com vários jogadores indisponíveis, deitou mão às mais jovens esperanças da equipa, com Alexandre Silva e Raphinha a mostrarem condições para também estar, regularmente, nas contas do treinador. Defensivamente, Pedro Martins decidiu entregar a baliza a Douglas, com Josué e Pedro Henrique a comporem uma forte dupla de centrais.

Rio Ave em versão Nuno Capucho

guedes-rio-ave

Guedes marcou golo decisivo

Talvez tenha sido a aposta mais arriscada da temporada, na escolha de treinador, mas o Rio Ave manteve-se fiel a princípios que já lhe deram oportunidade de estrear técnicos que estão agora em alta. Vindo da Póvoa de Varzim, o antigo internacional português sofreu no apuramento para a Liga Europa, mas vai definindo melhor as suas opções em termos de onze. A base da equipa não é assim tão diferente da das últimas épocas. Marcelo e Roderick no setor central da defesa, com mais solidez nas laterais tendo Pedrinho e Rafa, enquanto no meio-campo é o posicionamento de Wakaso e o jogar de olhos no horizonte de Tarantini quem faz a diferença.

Mudam, no entanto, as dinâmicas no meio-campo ofensivo. A chegada de Gil Dias abre uma janela para um futebol mais perfumado a partir da faixa, Rúben Ribeiro é fonte de constante imprevisibilidade com a bola nos pés, enquanto Heldon marcará a ligação com o futebol da temporada passada, na constituição de um extremo que surge a cheirar golo muitas vezes. A dúvida de Capucho prender-se-á, neste momento, com a utilização do ponta-de-lança. Yazalde é homem para fazer jogar mais o seu meio-campo, mas Guedes merece a oportunidade de ser titular, solto na frente, a cheirar as fragilidades do adversário. Este fim-de-semana, na Madeira, marcou o golo da vitória.

A Europa a partir do Sul

Belenenses e Vitória de Setúbal têm histórias conturbadas, nos últimos tempos, e o facto de estarem, neste momento, com vista para lugares europeus será uma verdade à espera de confirmação. Mas é inegável que no arranque de época, ambos os casos merecem algumas notas.

Melhor os setubalenses, que se vão mostrando autênticos todo-o-terreno, com boas exibições caseiras e solidez enquanto forasteiros. O empate em Chaves, depois de conseguir semelhante resultado no Estádio da Luz, comprova que José Couceiro tem, em Setúbal, uma das suas mais felizes moradas. Para seguir e confirmar nas próximas semanas.

Já o Belenenses, que apresenta como única derrota a visita ao Vitória de Setúbal, conseguiu dois excelentes resultados nas derradeiras jornadas. Depois de uma vitória em Tondela, os azuis receberam o Nacional da Madeira e deram a volta ao marcador graças a uma grande penalidade e um autogolo. Se a qualidade é fundamental para se estar na primeira metade da tabela, algumas vezes, o caminho para lá chegar, não pode ignorar a sorte.