Sábado, às 17 horas, o Mundo vai parar para assistir ao 229º jogo entre Real Madrid e Barcelona. Um clássico vibrante que move multidões. Um fenómeno transversal.

Milhões de espectadores vão estar de olhos postos nas televisões para seguir de perto a acção que nos irá chegar desde o Santiago Bernabéu.

A rivalidade entre os dois clubes remonta a 1902 mas só assumiu maior relevância em meados do Século XX. Os catalães viram o Barcelona ser fundado em 1899 pelo suíço Hans Gamper. Por seu lado, o Real nasceu em 1902 pelas mãos Julián Palacios e os irmãos originários de Barcelona, Juan e Carlos Padrós, após uma união de dois clubes. O primeiro encontro teve lugar em Madrid em 1902 na meia-final da Copa de la Cornación, antecedente da Taça do Rei. Os blaugranas venceram por 3-1 e partiram para um ciclo de supremacia face aos merengues.

Os primeiros anos foram dominados pelo Barcelona, com o Real a equilibrar as contas a partir da década de 50 com a ajuda primordial de Alfredo Di Stéfano. Nem a chegada de Johan Cruyff à Catalunha em 1973 inverteu a tendência de superioridade madrilena. Só quando o holandês deixou os relvados para assumir a partir do banco é que o Barcelona, na década de 80, se aproximou do número de títulos do Real. Os anos 90 foram de sucesso para ambas as formações. O Barcelona conquistou pela primeira vez a Liga dos Campeões em 1991/1992 e o Real somou o 7º título na prova. As provas domésticas foram divididas em grande parte pelos dois rivais. Jogadores como Zubizarreta, Koeman, Guardiola, Laudrup, Roberto Carlos, Hierro, Redondo, Seedorf e Raúl marcaram essa geração.

Nas últimas temporadas o Barcelona voltou a aproximar-se do Real no que toca a títulos conquistado. Apesar da fama de Galácticos, o Real só conquistou 5 dos últimos 14 títulos da La Liga, menos um do que o Barcelona. Casillas, Makélélé, Guti, Zidane, Beckham, Figo, Morientes, Ronaldo, Valdés, Puyol, Ronaldinho, Deco, Eto’o e Henry marcaram a década de 2000, elevando a qualidade do futebol a nível mundial.

Real Madrid - Barcelona

Os encontros entre Real Madrid e o FC Barcelona vivem sempre de grande espectacularidade

Curiosamente são vários os casos de jogadores que partilharam o balneário do Bernabéu e Camp Nou. Destaque para Figo, Ronaldo, Saviola, Laudrup, Schuster, Lopetegui, Hagi e o actual treinador do Barcelona, Luis Enrique. O caso mais problemático foi o de Di Stéfano que viajou da Argentina para assinar pelo Barcelona. Alfredo chegou a realizar 3 amigáveis pelos catalães mas o Real entrou na disputa, considerando-se detentor do passe do mítico jogador. A solução passaria por Di Stéfano jogar uma época em cada clube por um período de quatro anos. Uma situação que foi rejeitada pelo Barcelona e que serviu para alimentar a rivalidade.

Esporadicamente, equipas como o Deportivo, Atlético de Madrid, Valencia, Real Sociedad e Athletic de Bilbao intrometeram-se na disputa pelo reino do futebol espanhol mas sem sucesso de forma consistente.

Na época passada, o Barcelona deslocou-se até à capital para vencer por 4-3. Poucas semanas depois foi a vez do Real servir a vingança ao catalães, vencendo o Barcelona na final da Taça do Rei por 2-1. Desde então muitas coisas mudaram.

O Real Madrid conquistou a sua 10ª Liga dos Campeões e Luis Enrique herdou de Tata Martino uma equipa com falta de intensidade e vontade. O técnico espanhol voltou a patentear a Catalunha com um futebol de posse, circulação e pressão.

Ronaldo vs Messi

Nos dias de hoje, Ronaldo e Messi assumem um protagonismo histórico. Tratam-se de duas das maiores referências do Real e Barcelona, respectivamente. Dois estilos diferentes mas de uma qualidade única. Devemos ter a capacidade para apreciar o futebol que cada um tem para nos dar e não entrar em comparações qualitativas. O português e o argentino irão figurar na galeria dos melhores de sempre.

Ronaldo tem estado em grande forma. Prova disso são os 22 golos que já apontou esta época, de um total de 395 em toda a sua carreira.

O capitão de Portugal é o melhor marcador do campeonato espanhol com 15 golos, tantos como Messi e Neymar juntos. O número 7 do Real terá pela frente Claudio Bravo. O guarda-redes chileno, de 31 anos, vive um dos melhores momentos da carreira. A confiança é muita pelo facto de ter batido um recorde com 36 anos. Pedro Artola, guarda-redes em 1977/1978 esteve 560 minutos sem sofrer golos no campeonato ao serviço do Barcelona. Bravo não sabe o que é ir buscar a bola ao fundo das redes há 720 minutos.

Real Madrid - Barcelona

Jogos de grande equilíbrio, tendem, nos últimos anos, para o FC Barcelona

Messi leva 9 golos esta temporada e tem repartido o protagonismo no clube catalão com o brasileiro Neymar. No que concerne a recordes, faltam 2 golos para ultrapassar Telmo Zarra como o melhor marcador de sempre da La Liga com 251 golos. Uma marca que pode ser atingida este sábado. O argentino vence Ronaldo nas assistências. Encontra-se no primeiro lugar da liga com 7 assistências mas é esperado que nas próximas jornadas o número 10 do Barcelona aumente a sua influência no que toca aos golos marcados.

Não contabilizando com os prémios individuais, Ronaldo tem no seu historial 17 títulos contra 21 de Messi. Os dois craques estão perto de bater o recorde de Raúl e sagrarem-se os melhores marcadores de sempre da Liga dos Campeões. O espanhol apontou 71 golos mas tem Ronaldo e Messi logo atrás com 71 e 69, respectivamente. O craque do Barcelona é o melhor marcador em jogos entre ambas as equipas com 21 golos em 28 jogos mas mais do que o duelo entre Ronaldo e Messi, está em causa o título espanhol e a supremacia de um dos emblemas perante o outro.

O Barcelona encontra-se em 1º lugar com 22 pontos, resultante de 7 vitórias e 1 empate, somando 22 golos marcados e nenhum sofrido. O Real está no 3º posto com 18 pontos, 30 golos marcados e 9 sofridos.

Uma vitória do Barcelona pode destruir a confiança e o momento de forma dos merengues mas a jogar em casa o Real tem condições para vencer e atenuar a desvantagem de 4 pontos. Este ano pela qualidade das equipas, o título pode mesmo ser decidido pelo confronto entre ambos. Em termos de palmarés o Real Madrid conta com 80 troféus, menos um que o Barcelona.

Uma coisa é certa. Sábado é dia de El Clásico e nenhum de nós vai querer perder um jogo desta dimensão.

Boas Apostas!