O Leicester City estás prestes a começar a defender o título de Inglaterra. Mas, realisticamente, quais são as hipóteses dos Foxes repetirem a gracinha? Ranieri, no alto da sua sabedoria, brinca dizendo que as casas de apostas pagam 6000 para 1. Mais a sério, o experiente italiano, que já viu muita coisa, fala de voltar à estaca zero no início da temporada. O primeiro objetivo é chegar aos quarenta pontos que os deixam a salvo. Disfrutar da Liga dos Campeões e aprender a gerir o desgaste. O que vier a mais é lucro.

O assentar da poeira

Só agora a poeira começa a assentar e começamos a processar devidamente o fabuloso feito do Leicester City. Arrisco dizer que este estado de espírito se estende ao plantel dos Foxes. Depois do pico de adrenalina, da euforia dos festejos, os jogadores começam a lidar com a realidade, nas suas diversas ramificações. São campeões ingleses mas agora será preciso começar tudo de novo, sendo que já não irão apanhar ninguém desprevenido. Vão-se estrear na Liga dos Campeões, como cabeças de série. Será que ainda têm que se beliscar uns aos outros quando pensam no que estão a viver?

Hipótese ainda mais remota

Se no anos passado todas as análises às aspirações do clube se centravam na busca da manutenção na Premier League, sendo que eram muitos os que não lhes davam grandes chances, agora a interrogação é bem mais ampla. Quais são as hipóteses reais de Claudio Ranieri e seus pupilos revalidarem o título na Premier League? Os profetas da desgraça fala de um descalabro à espera de acontecer. Vão ser expetativas e responsabilidades a mais que irão desmontar o Leicester.

O trio que sustentou a conquista do título pode romper-se mas é possível minimizar as perdas.

O trio que sustentou a conquista do título pode romper-se mas é possível minimizar as perdas.

É certo que aquilo que já era altamente improvável se tornou ainda mais difícil. Não há efeito surpresa. E se na temporada passada aproveitaram os tropeções dos crónicos candidatos ao título, desta feita os clubes milionários da Liga Inglesa estão numa corrida ao armamento. Não há como regatear o favoritismo, pelo menos em abstrato, aos dois de Manchester, com os seus treinadores-estrela. Há ainda a considerar o Chelsea de Conte e o Liverpool de Klopp. Dado o forte investimento destes conjuntos o Leicester City pode ser empurrado para fora do top-4. Mas o mesmo é válido para Tottenham e Arsenal. E depois há o peso acrescido de jogar a liga dos Campeões.

Desafiar as probabilidades

Mas até agora os Foxes sobreviveram a todas as profecias de desastre. Iam ser despromovidos à Championship, aguentaram-se. A equipa não ia ser vendida às peças no mercado de janeiro, caindo depois para o fundo da tabela, acabaram campeões. Pode ser que mais uma vez desafiem as probabilidades. Para já, a única perda foi a de N’Golo Kanté, que não resistiu à sedução do Chelsea e de Conte. Não será fácil de preencher o seu espaço mas o Leicester, que há três épocas estava na segunda divisão inglesa, valorizou o passe do jogador lucrando quase vinte e sete milhões de euros em relação ao que tinha pago por ele no verão anterior. Jamie Vardy foi inteligente e resistiu às propostas do Arsenal. É possível que à hora a que este texto for publicado já Riyad Mahrez tenha chegado a acordo para se mudar para o Emirates. É um rumor persistente. E se assim for a equipa do Leicester não será a mesma. Mas isso é assim com todas, é preciso planear para o futuro e para as inevitabilidades. A estrutura do clube está a trabalhar nesse sentido e não é de agora.

Em janeiro, quando se falava na possível sangria de jogadores, pretendidos por outros emblemas, Ranieri e Steve Walsh estiveram ativos a recrutar. Demaray Gray (20) e Daniel Amartey (21) chegaram do Birmingham e Copenhaga para serem opções de futuro.

Quarenta pontos e a manutenção

Ranieri volta à estaca zero e recupera o discurso do ano passado: garantir a manutenção.

Ranieri volta à estaca zero e recupera o discurso do ano passado: garantir a manutenção.

Claudio Raineri, do alto da sua sabedoria, fala em voltar à estaca zero. Arrancar a temporada com o objetivo de conquistar o quanto antes os quarenta pontos que o manterão a salvo. A partir daí, ousar ambicionar mais. Pensar em lugares específicos da tabela, na possibilidade de uma vaga europeia, talvez vencer uma das cinco competições em que vão competir. Acautela adeptos e jogadores para o desgaste, sobretudo mental, de participar na Liga dos Campeões. No entretanto, compras criteriosas – a imagem de marca do recrutamento do clube – continuam a ser feitas, para reforçar e dar profundidade ao plantel que vai ter que se desdobrar em duas competições de exigência elevada. Hoje foi anunciado o quinto reforço, Bartosz Kapustka, que se junta assim a Zieler, Musa, Mendy e Luís Hernández. Mas havemos de analisar as partidas e chegadas lá mais para a frente, que por enquanto o vaivém ainda corre a todo o vapor.

Boas Apostas!