Após esta paragem para a disputa de compromissos internacionais, a Premier League volta agora à acção para a derradeira recta final. Com 8 jornadas por jogar, que permitem a qualquer equipa somar um total de 24 pontos, o Swansea, 8º classificado, tem ainda, teoricamente, a possibilidade de ultrapassar o actual líder Chelsea e sagrar-se campeão. Já em sentido oposto, o Leicester City, 20º e último classificado da prova, no caso de conseguir vencer todas as restantes oito jornadas, pode ainda ascender até ao 8º lugar. De destacar que se encontra ainda em atraso a disputa de uma partida remetente à jornada 27 desta prova que colocará frente a frente precisamente o Leicester City e o Chelsea, último e primeiro classificados da Premier League.

A luta pelo Título e pelos lugares Europeus

Na segunda temporada desde o regresso de José Mourinho ao seu comando técnico, o Chelsea parece finalmente bem encaminhado para repetir a conquista do título de campeão, o que já não acontece desde 2009/10, à altura com Carlo Ancelotti no comando técnico. Agora de novo com o técnico português, que conduziu este emblema londrino em dois dos quatro títulos que detêm no campeonato inglês, o Chelsea soma para já 67 pontos, mais 6 que o campeão em título e actual 2º classificado, Manchester City.

Apesar do renome que possui Diego Costa, o jovem Harry Kane tem-lhe oferecido boa concorrência na luta pelo melhor marcador da Premier League.

Apesar do renome que possui Diego Costa, o jovem Harry Kane tem-lhe oferecido boa concorrência na luta pelo prémio de melhor marcador da Premier League.

Depois de, em 2008, os magnatas do grupo Abu Dhabi United terem investido na equipa, o Manchester City deu um salto de gigante a partir o meio da tabela até ao top-5 do campeonato, onde se têm classificado sempre desde então. Correspondendo aos investimentos feitos, a equipa tem também rendido e foram já por duas vezes campeões ingleses, na época 2011/12 e ainda na última temporada, nesta já com o argentino Manuel Pellegrini no papel de técnico. Este ano, novamente com Pellegrini no comando da equipa, os Citizens estão a conseguir um desempenho semelhante ao da temporada transacta, contudo insuficiente para fazer frente ao ímpeto que os Blues têm imposto no campeonato.

Logo atrás dos Citizens, em 3º lugar com 60 pontos, aparece o Arsenal. Perpetuamente orientados por Arsène Wenger, os Gunners vivem também afastados do título de campeões já desde a temporada 2003/04 quando conseguiram o feito de vencer a Premier League sem ter sofrido qualquer derrota. Agora, após duas temporadas a fazer fortes investimentos no mercado de transferências, de onde se destacam claramente as entradas de Mesut Ozil e Aléxis Sanchéz, o técnico francês está finalmente a conseguir classificar a equipa acima do 4º posto, onde ficaram nas duas últimas épocas, podendo ainda, superar os Citizens no caso de conseguirem manter o bom momento até final da temporada.

No último lugar de classificação para a Liga dos Campeões, que já dá apenas acesso ao play-off de qualificação, encontra-se o Manchester United. Duas temporadas após a turbulência causada pela saída de Alex Ferguson do comando técnico, agora com Louis Van Gaal no comando técnico, os Red Devils estão finalmente a conseguir recuperar o seu espaço na Premier League e somam para já 49 pontos, menos 3 que os 2ºs do Manchester City e menos 1 apenas que o Arsenal, 3º classificado. Desta forma, não querendo colocar os jogadores sob pressão, Louis Van Gaal deverá contentar-se com a conquista de um lugar no top-3 da tabela, garantindo assim o apuramento directo para a Liga dos Campeões, prova que falharam na actual temporada, bem como a Liga Europa.

Na 5ª posição, que garante o apuramento para a Liga Europa, está por esta altura o Liverpool. Após um excelente desempenho na temporada passada, em que terminaram 2º classificados, os homens de Anfield Road não estão esta época a conseguir replicar a forma do último ano, o que muito se deve à saída de Luís Suárez que, a par com Cristiano Ronaldo, foi o melhor marcador dos campeonatos europeus com 31 golos. Nesta época, com Mario Balotelli no lugar do uruguaio, Brendan Rodgers ainda não conseguiu tirar do avançado italiano tudo o que ele pode dar, pelo que as actuais ambições da equipa não se devem alargar muito para além da qualificação para a Liga dos Campeões, o que até assim exige ainda uma subida significativa do nível exibicional da equipa.

José Fonte

Capitão do Southampton, o português José Fonte tem sido um grande pilar na linha defensiva dos Saints.

Com o holandês Ronald Koeman no comando técnico, o Southampton foi ao longo da primeira metade da temporada a grande surpresa da prova tendo mesmo, durante seis jornadas, sido o 2º classificado do campeonato. O técnico holandês deu o melhor uso ao orçamento conseguido com as vendas de Luke Shaw, Adam Lallana e Dejan Lovren, essencialmente, e reforçou o plantel com nomes como Graziano Pellè, Sadio Mané e Dušan Tadić que, apesar do pouco reconhecimento, têm demonstrado bem o porquê de receberem a confiança do técnico. Agora, com 24 pontos ainda em jogo, o treinador ex-Benfica procura conduzir este modesto plantel a voos ainda mais altos, sendo a classificação nos lugares de apuramento para a Liga dos Campeões algo ainda na mente dos atletas, sendo ainda de destacar que, com apenas 21 golos sofridos, são a melhor defesa da Premier League.

Com os mesmos 53 pontos que o Southampton, mas uma posição abaixo devido à desvantagem no confronto directo, encontramos o Tottenham. Este ano orientados por Mauricio Pochettino, os Spurs procuram voltar a qualificar-se no top-5 da Premier League, o que aconteceu pela última vez na temporada 2012/13, à altura com André Villas Boas no comando técnico e Gareth Bale no plantel tendo, à altura, este último sido o melhor marcador da equipa com 26 golos. Desde a saída do galês, para o Real Madrid em 2013/14, apenas esta temporada os londrinos têm alguém capaz de fazer esquecer o extremo, sendo ele o improvável Harry Kane que, à partida para esta época era praticamente tido como dispensável e agora é, a par com Diego Costa, o melhor marcador do campeonato com 19 golos e figura de destaque na seleção inglesa.

O meio da tabela

Ainda na metade superior da tabela, mas com uma grande distância de Tottenham e Southampton, encontramos ainda três equipas com mais de 10 vitórias somadas já nesta edição da Premier League. Em primeiro encontramos o Swansea City, 8º classificado, que depois de nas últimas três temporadas ter conquistado o seu lugar na Premier League, começa agora a chegar-se perto de voos mais altos. Nas 9ª e 10ª posições classificam-se para já o West Ham e o Stoke City, ambos com 42 pontos, fruto de temporadas regulares que, apesar de não os levar à Europa, os deixa com bastantes esperanças para o futuro visto que são duas equipas em claro crescimento.

Mesmo não sendo jogador, Alan Pardew foi protagonista de uma das mais curiosas transferências desta Premier League.

Mesmo não sendo jogador, Alan Pardew foi protagonista de uma das mais curiosas transferências desta Premier League.

Já na metade inferior da tabela, com 36 pontos, menos 6 que o 10º Stoke City, classifica-se o Crystal Palace. Depois de ter passado uma grande parte da época em lugares bastante próximos da zona de descida, e até mesmo em zona de descida, os Eagles “roubaram” ao Newcastle o técnico Alan Pardew que os fez desde então escalar 7 lugares na tabela classificativa. Depois de ter perdido o técnico com quem iniciara a temporada, o Newcastle perdeu também algumas posições na tabela. A realizar uma temporada de veras irregular, os Magpies classificaram-se já na 20ª e na 5ª posições desta Premier League, pelo que dificilmente nesta recta final, após todas as turbulências, deverão conseguir alcançar um bom e regular nível exibicional. Já na 13ª posição encontramos o Everton. Depois da excelente temporada passada em que terminaram classificados no 5º lugar da tabela, e assim alcançado a qualificação europeia, os Toffees estão este ano a acusar o cansaço acumulado por disputarem mais uma competição, a Liga Europa, e por isso encontram-se agora com apenas 34 pontos somados no campeonato. Ainda acima dos trinta pontos encontramos o West Bromwich Albion, 14º classificado com 33 pontos. Desde a jornada seis sem conseguirem somar dois triunfos consecutivos, os Baggies não procurarão agora mais do que manter o lugar em que se encontram de modo a que, ao contrário da temporada transacta em que acabaram 17º classificados, consigam uma manutenção sem grandes percalços.

Fugir da despromoção até ao final…

Já nos últimos seis lugares da tabela, entre o 15º e o 20º postos e abaixo da marca dos trinta pontos, começamos por encontrar o Hull City e o Aston Villa, ambos com 28 pontos. Depois de terem, ambos os conjuntos, conseguido um bom arranque de temporada, após as primeiras cinco jornadas iniciaram, também ambas as equipas, um percurso decrescente na tabela que os chegou mesmo a levar até à 19ª posição da tabela. Ainda assim, tanto Tigers como Villains conseguiram ambos uma ligeira melhor em termos exibicionais e têm agora tudo para que garantam uma manutenção à sua própria custa. Imediatamente acima da linha de água, com 26 pontos, classifica-se o Sunderland. Com 14 empates, é o conjunto desta Premier League com mais divisões de pontos somadas esta temporada, o que ainda assim poderá não ser suficiente para que Dick Advocaat consiga manter os Black Cats neste escalão principal do futebol inglês.

Abaixo da linha de água, entre os 17º e 20º lugares, inclusive, encontramos em primeiro o Burnley. Com 25 pontos, os recém subidos à Premier League mantém ainda a esperança numa manutenção, bastando-lhes para isso ultrapassar o Sunderland que detém apenas mais um ponto que os Clarets. A 18ª posição é improvavelmente ocupada pelo QPR. Após um grande investimento no mercado de transferências de verão, o clube, detido pelo malaico de origem lusitana Tony Fernandes, não está a conseguir corresponder às expectativas iniciais e, com 20 derrotas e 54 golos sofridos, detém os piores registos desta Premier League. O também recém promovido Leicester City, com 19 pontos, é o lanterna vermelha da prova e, mesmo com uma partida ainda por disputar, remetente à jornada 27 ante do Chelsea, dificilmente conseguirá já sair do posto que ocupa.

Como é habitual na Premier League, podemos adivinhar umas 8 jornadas finais recheadas de ação e emoção, principalmente por entre os primeiros sete classificados da tabela visto que, destes, apenas seis se poderão apurar para as competições europeias e todos eles fazem questão de lá marcar presença. Já das restantes equipas, imaginam-se maiores alterações junto à zona de despromoção, onde Burnley e QPR tentarão de tudo para garantir a manutenção, enquanto que o Sunderland, maior candidato a ser ultrapassado por estes emblemas procurará sobreviver entre a elite inglesa.

Boas Apostas!