Carlos had a dream
To build a football team
We had no players
So we went and signed them on loan
We build from the back
With [Lucas] João in attack
We’re Sheffield Wednesday
We’re on our way back

Os adeptos do Sheffield Wednesday estão rendidos ao trabalho de Carlos Carvalhal. De volta ao ativo, o técnico português abraçou um projeto ambicioso em “terras de Sua Majestade”, seduzido pela competitividade do Championship. Volvidos 16 anos, os “Owls” estão a um passo de regressar à Premier League. Uma aventura com cunho português, liderada por Carvalhal, coadjuvada por Bruno Lage, João Mário e Jhony Conceição fora das quatro linhas e José Semedo, Lucas João e Marco Matias dentro delas.

Sheffield Wednesday“Acordámos o gigante. Merecemos chegar à final, mas isto ainda não acabou”. As palavras são de Carlos Carvalhal após ter eliminado o Brighton & Hove Albion nas meias-finais do “play-off” de acesso à Premier League. Independentemente do que aconteça na decisão, Carlos Carvalhal vai continuar à frente do Sheffield Wednesday na próxima temporada. Concluída a fase regular do Championship, o presidente Dejphon Chansiri deu um voto de confiança ao treinador português ao prolongar o vínculo que o liga ao clube. “Foi-lhe pedido que a equipa jogasse um futebol entusiasmante, agressivo e que fosse capaz de entreter os adeptos, tendo tudo isso sido alcançado”, declarou Chansiri, naturalmente satisfeito com o sexto lugar alcançado pelo Sheffield que permitiu competir no “play-off” de acesso ao primeiro escalão.

Wembley, palco que passou tantas vezes pelos olhos de Carvalhal através um rectângulo mágico a preto e branco, recebe a final do “play-off” – agendada para dia 28 de maio. A verdade é que os primeiros “highlights” do Sheffield de Carvalhal na atual temporada ocorreram numa competição cuja decisão também se disputou Wembley: A Taça da Liga, prova em que deixou pelo caminho os primodivisionários Newcastle (0-1) e Arsenal (3-0). A participação terminou nos quartos-de-final, com uma derrota (2-0) no Britannia diante do Stoke City, mas conferiu um estatuto respeitável à formação de Sheffield.

Play-off

Carlos CarvalhalA participação na fase regular culminou com um sexto lugar, suficiente para assegurar o acesso ao “play-off” de promoção – no ano passado, tinha terminado no 12º posto. Nas meias-finais, o Sheffield Wednesday mediu forças com o Brighton & Hove Albion, emblema que esteve muito perto de garantir a subida de forma direta ao terminar com os mesmos 89 pontos que o Middlesbrough. A primeira mão, no histórico Hillsborough, culminou com uma vitória dos “Owls” por duas bolas a zero. Os homens de Carvalhal patentearam qualidade e maturidade suficiente para competir a um nível alto, em clima de decisão. Na segunda mão, o empate a uma bola no sul de Inglaterra foi o suficiente para assegurar o acesso à final, diante do Hull City.

O sonho está a 90 minutos de se concretizar. O Championship carateriza-se pela elevada competitividade e imprevisibilidade, sendo que a final do “play-off” de promoção não foge à regra. Favoritismo repartido à entrada para a decisão, até porque os dois confrontos diretos entre Sheffield Wednesday e Hull City nesta temporada terminaram empatados (0-0; 1-1). Mesmo que o não garanta o direito de estar na Premier League em 2016/17, Carlos Carvalhal foi um dos portugueses na diáspora em melhor plano na temporada que agora finda, elevando a figura do técnico “luso” num futebol em que José Mourinho foi (é) “rei e senhor”.