A terra da felicidade tem motivos para sorrir quando falamos de futebol. O Butão alcançou um feito histórico.

Felicidade

Corria o ano de 1972 quando o Rei do Butão afirmou que o PIB não interessava, contrariamente à Felicidade Interna Bruta. Foi então que um novo índice foi criado, com base em parâmetros de satisfação pessoal.

Jigme Singye Wangchuck, na altura rei do Butão, acreditava que o objectivo da vida não pode ser limitado pela produção e consumo, dado que as necessidades humanas não se limitam apenas à materialidade da causa.

Um ideal de vida que assenta em quatro pilares: desenvolvimento económico sustentável, preservação da cultura, conservação do meio ambiente e boa governança. Um conceito que faz do Butão um dos países mais ricos do Mundo em termos culturais e certamente o mais feliz. Uma região perdida nos Himalaias.

No futebol, o conceito de felicidade não tem tido os melhores dias. O desporto-rei e o ideal de vida dos habitantes do Butão não se têm cruzado dentro do campo.

Butão 4 - 0 Montserrat 2002

A Outra Final. Em 2002, enquanto o Brasil e a Alemanha disputavam a final do Mundial, o Butão e Montserrat, as duas piores selecção do ranking FIFA defrontavam-se e o Butão faria história ao vencer, pela primeira vez, por 4 a 0

A Selecção Butanesa de Futebol foi oficialmente fundada em 1983, juntando-se à FIFA em 2000. O Butão representa um dos mais recentes membros da organização.

Os jogos em casa têm lugar no Changlimithang Stadium, cuja capacidade máxima é de 15.000 pessoas.

Em 2002, no mesmo dia em que Alemanha e Brasil disputaram a final do Mundial, o Butão, na época no 202º lugar no ranking da FIFA, disputou um amigável contra Montserrat, 203º lugar. Um amigável que colocava frente-a-frente as duas piores selecções do Mundo. Um título que nenhuma pretendia apresentar no seu historial.

O Butão venceu por 4-0 com Wangay Dorji a ser o herói da partida, apontado três golos. O jogo ficou conhecido como a Outra Final, originando um documentário que foi realizado por uma empresa holandesa.

No Mundial de 2010, o Butão teve de abandonar a fase de qualificação porque o seu estádio não atendia aos padrões exigidos pela FIFA para a disputa de uma eliminatória, sendo que as reformas necessárias para passar no teste não ficariam prontas a tempo para o jogo frente ao Kuwait. Para o Mundial de 2014, a selecção não se inscreveu mas tem estado a preparar a sua participação no Mundial 2018.

História

Passados 13 anos do amigável frente à ilha das Caraíbas, Montserrat, o Butão continua no último lugar do ranking mas, desta vez, com a agravante de se situar no 209º posto.

As eliminatórias asiáticas para o Mundial de 2018 começaram no dia 12 Março, com o Butão a deslocar-se ao Sri Lanka.

A pequena nação que nunca saiu do último lugar do ranking conseguiu conquistar de forma inesperada duas vitórias, 1-0 fora e 2-1 em casa, no dia 17 de Março.

Butão 2 - 1 Sri Lanka 2015

De novo a fazer história, o Butão foi ganhar 1 a 0 ao Sri Lanla e depois voltaram a ganhar em casa por 2 a 1, já este ano, na qualificação para o Mundial de 2018

O Butão quebrou uma sequência de 19 derrotas consecutivas, desde 2008. Depois da vitória em 2002, sobre Montserrat, por 4-0, a vitória sobre o Guam por 6-0 e a vitória, em 2008, sobre o Afeganistão, por 3-1, a equipa voltou a ter motivos para sorrir. 3 vitórias oficiais num total de 5 desde a sua fundação, um registo histórico.

As piores goleadas ocorreram diante do Iémen, Turquemenistão, Paquistão, Afeganistão e Maldivas. 8-0 em 2003, 7-0 em 2009, 7-0 também em 2009, 8-1 em 2011 e 8-2 em 2013, respectivamente.

Com as duas vitórias, o Butão passa para a fase de grupos da Ásia, onde estarão 40 selecções. Os pupilos de Chokey Nima deixaram o último lugar da FIFA, um posto que assumiam desde Dezembro de 2009, atirando o território britânico de Anguilla para o último lugar.

Nota para o facto do Sri Lanka situar-se 35 posições acima do Butão e, apesar de ambas as selecções não terem tradição no futebol, poucos acreditariam que os butaneses fossem capazes de vencer os dois jogos.

Os jogadores do Butão recebem cerca de 150€ mensais por parte da Federação. O jogador mais conhecido é Chencho Gyeltshen, avançado, que passou a ser comparado a Cristiano Ronaldo. O jovem, de 24 anos, marcou os dois golos no jogo da segunda mão, sendo dessa forma elevado a herói nacional. Chencho é dos poucos jogadores profissionais do Butão.

Com os primeiros três pontos no bolso, o Butão fugiu do último lugar do ranking da FIFA e, finalmente, conquistou a felicidade no futebol. Uma passagem pelo futebol desconhecido e profundo.

Boas Apostas!