Bob Bradley não resistiu à terceira derrota consecutiva e a uma ameaça de motim nas Bancadas do Liberty Stadium. O primeiro treinador americano a assumir um clube da Premier League sai sem glória mas os problemas do Swansea estão para continuar. A fechar a jornada do Boxing Day os Spurs deram a volta a resultado em St. Mary’s e mantêm o contacto com a carruagem da frente. Mas o marcador final é enganador e o Southampton não merecia ter saído goleado.

A jornada do Boxing Day não trouxe grandes surpresas. Quem tinha que vencer, venceu. A derrota do Leicester em casa conta como um acrescento de deceção na campanha doméstica dos atuais campeões da Premier League mas já não espanta ninguém.

Swansea despede segundo treinador da época

A passagem do primeiro treinador norte-americano pela Liga Inglesa não durou sequer três meses.

A passagem do primeiro treinador norte-americano pela Liga Inglesa não durou sequer três meses.

Na segunda-feira o Swansea sofreu a terceira derrota consecutiva e das bancadas do Liberty Stadium veio uma ameaça de motim. Os cânticos mais civilizados eram os que pediam a saída de Bob Bradley e foi o que acabou por acontecer no dia seguinte. O clube galês despede o segundo treinador esta temporada e ainda vamos na jornada dezoito. É verdade que nos onze jogos em que comandou os Swans, Bradley só conseguiu somar oito pontos (2V/ 2E/ 7D) em trinta e três possíveis, e concedeu neste período vinte nove golos. A derrota por 1-4 no Boxing Day foi só a última gota. Os adeptos e a equipa já tinham perdido a esperança de que o técnico tivesse forma de dar a volta à situação.

Bob Bradley foi o primeiro norte-americano a assumir o banco de um clube da Pemier League e sai sem glória. Vai certamente ficar com essa mancha no currículo, por mais injusto que possa parecer. Afinal, ele assumiu uma tarefa que já se tinha percebido não ser fácil. Os problemas do Swansea estão para continuar. A equipa está no penúltimo lugar, em igualdade pontual com o lanterna-vermelha, Hull City.

Spurs dão a volta ao resultado em St. Mary’s

Dele Alli bisou na reviravolta frente ao Swansea, abrindo e fechando a contagem.

Dele Alli bisou na reviravolta frente ao Swansea, abrindo e fechando a contagem.

A fechar a jornada o Tottenham conseguiu sobreviver à deslocação a Southampton. Mas o resultado final (1-4) mascara os apertos e dificuldades pelas quais os rapazes de Pochettino passaram no St. Mary’s. Para início de conversa o clube da casa abriu o marcador logo ao segundo minuto da partida, com um cabeceamento de Virgil van Dijk. E pelo menos até meio da primeira parte os Saints foram a equipa mais acutilante em campo. O primeiro golo de Dele Alli, que repôs igualdade, veio trazer um pouco mais de equilíbrio e dar novo alento aos Spurs. No arranque do segundo período Harry Kane colocou o Tottenham na frente mas a margem mínima manteve-se até aos últimos cinco minutos. Aos cinquenta e oito Nathan Redmond foi expulso por travar um adversário que seguia isolado mas Kane não conseguiu converter o penálti. Eriksen ainda mandou uma bola à trave mas só Son, que entrou aos setenta e quatro, deu por fim algum sossego aos Spurs. O coreano foi secundado quase de imediato pelo segundo golo de Alli e assim uma partida dura se transforma num aparente passeio de superioridade que de facto não existiu.

Com este resultado os Spurs aguentam-se na carruagem da frente. Estão a dez pontos da liderança dos Blues mas a apenas um dos rivais Gunners. O United de Mourinho segue na perseguição, com três de desvantagem. Até à próxima quarta-feira o Tottenham vai a casa do Watford e recebe o Chelsea.

Boas Apostas!