Fechou-se ontem, Segunda-feira, a janela de Inverno que permite aos clubes de futebol fazer pequenos, ou grandes, ajustes nos plantéis que foram construídos no Verão de véspera de todos os campeonatos.

Plantéis feitos a pensar em, a sonhar com, desenhado para, e logo depois a realidade acabar por escavacar planos. Por vezes por defeito, por vezes por excesso. No defeito descobrem-se lacunas, falhas, apostas que não resultaram, jogadores que não se adaptaram, lesões que aconteceram. No excesso assiste-se à desilusão da eliminação, à impossibilidade de permanecer, de lutar, de tentar conquistar. Uns, têm de tentar arranjar mais uns cobres para compor o ramalhete. Outros têm de se livrar de uma despesa que não conseguem suportar.

Mas no geral, o que se procura é o equilibrio. Ou a possibilidade de ultrapassar o limite e tentar chegar lá, onde chegam os heróis.

Em Portugal ou na Europa, jogam-se as mesmas cartas com os mesmo desejos, vontades ou necessidades. Claro que a diferença se mede pela quantidade de zeros nos cheques que compram os génios da bola nos pés. Os milhares em Portugal, os milhões na Europa.

Na Lista das Transferências Mais Caras de Inverno, lá vem, contudo, uma equipa portuguesa: o SL Benfica. Não pelas aquisições, claro, mas pelas vendas. Duas das mais caras transferências de Inverno sairam da Luz: Enzo Pérez para o Valencia CF, por 25 milhões de euros, e Bernardo Silva para o AS Monaco, por 15,75 milhões de euros. Isto faz do SL Benfica a quipa que mais encaixou com as vendas, pouco mais de 40 milhões de euros contra os 33,4 milhões que custou Juan Cuadrado ao Chelsea para que a Fiorentina largasse o jogador.

As Maiores Transferências de Inverno

Temos assim que, a maior tranferência desta janela de Inverno, foi efectuada pelo médio colombiano Juan Cuadrado que saiu da Fiorentina da Serie A, para o Chelsea da Premier League, pela quantia de 33,4 milhões de euros.

Juan Cuadrado

Por causa do fair-play financeiro, o Chelsea teve de vender André Schürrle ao VFL Wolfsburg, para ir buscar Juan Cuadrado à Fiorentina

Mas para acontecer a entrada de Cuadrado no Chelsea, e para obedecer ao fair-play financeiro, a equipa de José Mourinho teve de prescindir do avançado alemão André Schürrle, que acabou por ser vendido para o VFL Wolfsburg, da Alemanha, por 32 milhões de euros que, não sendo a segunda maior transferência, é uma das mais altas tranferências deste período. Lembre-se que o Wolfsburg derrotou, no último fim-de-semana, o Bayern Munique de Pep Guardiola, por 4 a 1, estando em segundo lugar na Bundesliga, a 8 pontos do líder, o Bayern.

A segunda maior tranferência deste período foi a protagonizada pelo avançado costa-marfinense Wilfried Bony, do Swansea para o Manchester City, por 32,3 milhões de euros, tudo dentro da Premier League.

Logo depois vem a tranferência de Schürrle, logo seguida, com alguma distância, das duas transferências do SL Benfica, do médio argentino Enzo Pérez para o Valencia CF e do avançado português Bernard Silva para o AS Monaco pelos valores já divulgados acima e que, em conjunto, fazem do SL Benfica o grande vendedor deste período.

Depois segue-se uma lista de 5 tranferências com valores muito próximos entre si.

O central brasileiro Gabriel Paulista saiu do Villarreal, de La Liga, para o Arsenal de Londres, da Premier League, por 15 milhões de euros. Por um pouco menos, por 14,4 milhões de euros, o AS Roma foi buscar o avançado costa-marfinense Seydou Doumbia, que estava na Rússia, no CSKA Moscovo.

Por 13 milhões de euros foi quanto o Real Madrid pagou ao Cruzeiro EC de Belo Horizonte pelo trinco brasileiro Lucas Silva. Um pouco menos, 12,3 milhões pagou o Napoli à UC Sampdoria, tudo dentro da Serie A, pelo avançado italiano Manolo Gabbiadini. Ficou tudo em casa.

A última das grandes transferências foi a do trinco alemão Kevin Kampl, que saiu do Red Bull Salzburgo, da Liga Austríaca, para o Borussia Dortmund, a tentar sobreviver na Bundesliga, por 12 milhões de euros.

Tempo de Vacas Magras

Rui Fonte

Rui Fonte foi emprestado pelo SL Benfica ao Belenenses, onde tem, assim, mais possibilidades de jogar na Primeira Liga

Mas se ainda houve alguns clubes com dinhero para investir alguns milhões de euros nesta janela de oportunidades, muitos mais houve que se limitaram aos empréstimos, que os tempos não estão para grandes despesas.

Em Milão, por exemplo, tanto o AC Milan com o Inter, equipas que andam, esta época, pelo meio da tabela, tentaram equilibrar os seus respectivos plantéis, recorrendo aos empréstimos. Para o AC Milan chegaram 4 jogadores emprestados. Para o Inter chegaram 5 jogadores, também por empréstimo.

Dos jogadores que chegaram para o Inter, há alguns nomes sonantes como Podolski (que chegou do Arsenal) e Shaqiri (que chegou do Bayern Munique). O AC Milan também teve direito a alguns nomes mas conhecidos do grande público, como Destro (que chegou da AS Roma) e Cerci (que veio do Atlético Madrid).

Por cá também houve empréstimos, como os dos portistas Sami, Ivo Rodrigues e Otávio para o Vitória de Guimarães e Rolando para o Anderlecht. O Belenenses emprestou o avançado brasileiro Deyverson ao FC Köln. E como consequência, o SL Benfica emprestou o avançado português Rui Fonte ao Belenenses.

Trocas e baldrocas para gente pobre a tentar colmatar falhas e ainda a tentar chegar lá, onde bate o sol.

Boas Apostas!