Não podia ser deixado incólume este dia sem a referência ao encontro, de hoje, entre as Selecções da Argentina e de Portugal. Ou entre Leonel Messi e Cristiano Ronaldo. Tudo isto em Manchester, que foi, algures ali pelos anos ’90, Madchester. Em Old Trafford. No Palco dos Sonhos. Onde Cristiano Ronaldo cresceu, enormemente, para o futebol. E onde Ángel di Maria parece estar a ofuscar-se.

Portanto, hoje, em Old Trafford vão defrontar-se a Selecção da Argentina, 2ª classificada no ranking FIFA e a Selecção de Portugal, 9ª classificada no mesmo ranking. E é, à partida, um jogo, como se costuma dizer, a feijões. Um jogo sem objectivo quantificável. Um jogo particular, de amizade, como antes se dizia.

Mas é mentira.

É mentira porque neste jogo também estão em equação Leonel Messi e, especialmente Cristiano Ronaldo. Por isso, mesmo pensando que, para Messi, este seria tão só mais um jogo de futebol, para Cristiano Ronaldo não. Para Cristiano Ronaldo, este é mais um veículo para se aferir qual dos dois craques é maior que o outro.

E é, mais que tudo, um jogo de milhões. Milhões de euros. O que valem os que estão em campo, e os que este jogo movimentou.

Durante algum tempo germinou a ideia de que havia dois grandes craques do futebol: Leonel Messi e Cristiano Ronaldo. Durante algum tempo, as pessoas de todo o Mundo (com excepção de Michel Platini que tem o coração a balançar por Franck Ribéry), devidiam-se sobre qual o maior dos craques da actualidade. Mas mesmo os que gostavam muito mais de Cristiano Ronaldo diziam que Leonel Messi tinha qualidades que o português não tinha, a maior delas, a humildade.

É verdade que são dois jogadores completamente diferentes. Messi é um artista da bola, mágico na forma como a transporta, superlativo no passe. Já Cristiano Ronaldo, é um mouro de trabalho. Não sendo um artista com a bola, é um jogador excepcional que completa a habilidade com que nasceu para a bola com imenso trabalho. Cristiano não desiste. Cristiano Ronaldo não se limita a ser, ou a querer ser, o Melhor do Mundo. Cristiano Ronaldo quer mesmo ser o Melhor Jogador do Mundo de Sempre e pulverizar todos os recordes que possam existir e que sejam passíveis de ser ultrapassados.

Selecção Portuguesa

Cristiano Ronaldo é o abono desta Selecção Portuguesa

Hoje, Leonel Messi parece estar a viver um certo ocaso. Talvez seja cansaço. Talvez seja o modelo de jogo do FC Barcelona. Talvez sejam os adversários, já muito estudiosos da sua forma de se entender com a bola nos pés. Talvez seja o remorso sobre um prémio (Melhor Jogador do Campeonato do Mundo de 2014, no Brasil) que ache que não merecia. Talvez esteja somente a acompanhar um certo desgaste do seu próprio clube. Talvez…

Hoje, por outro lado, Cristiano Ronaldo parece que ganhou a maturidade que lhe faltava para, continuando a ser, provavelmente, o Melhor Jogador do Mundo, perder a arrogância que lhe caracterizou os primeiros anos, e dar-lhe a calma e a elegância de quem sabe que é bom, está em forma, trabalha para estar e o ser, e tem objectivos bem definidos quanto ao que quer da vida. E o que quer é ser maior que a vida.

Hoje pode-se dizer, sem grande surpresa, nem crime lesa-majestade, que Cristiano Ronaldo é o Melhor Jogador do Mundo, pelo que tem feito ao longos de todos estes anos, pelo que tem ganho, pelos recordes que tem quebrado, pelo que tem construído no Real Madrid e, essencialmente, pelo que tem transportado da Selecção Portuguesa às suas costas.

Jogo de Selecções

Então, para além do óbvio embate entre Leonel Messi e Cristiano Ronaldo, as Selecções da Argentina e de Portugal vão defrontar-se.

Embora sejam duas selecções que estão no Top Ten no ranking da FIFA, estas não são das selecções que melhor futebol estão a praticar. Por melhores individualidades que comportem nas suas hostes, tanto uma selecção como a outra, têm alguma dificuldade em construir uma equipa que seja, realmente, competitiva. Mas também, tanto uma como a outra são selecções bafejadas pela sorte. Uns com a sorte de terem sido vice-campeões do Mundo, num Mundial pouco mais que suficiente, outros com a sorte do drama alheio que, castigando albaneses e sérvios, serviu terceiros.

Selecção Argentina

Esta Selecção Argentina sobrevive a um ocaso de Leonel Messi

E claro ficou nos últimos jogos de Portugal, já com Fernando Santos no banco, que resultaram em 2 vitórias para Portugal, com golos de CR7, depois de preciosas ajudas de Ricardo Quaresma, que esta selecção portuguesa é poucochinha. Esta equipa não é uma grande equipa, mas não é tudo mau, porque não é uma má equipa, simplesmente também não é de excepção. De excepção, excepção, só mesmo Cristiano Ronaldo. E se este falha…

Por outro lado, esta Argentina cheia de altos e baixos, como se fora um carrossel, conseguiu ser vice-campeã do Mundo, mesmo com uma quase ausência de Leonel Messi, que só a FIFA é que detectou ao longo do Campeonato do Mundo.

Não sendo dona de um futebol de luxo, a Selecção Argentina tem um grupo de jogadores acima da média que conseguem dar a volta às dificuldades que se lhes apresenta, e numa quantidade em que uns salvam os outros. Esta não é uma selecção que esteja refém da sua estrela maior.

O jogo de hoje, que se temia vir a ser jogado em estádio vazio, vai, afinal, ser um grande sucesso de público que está ali para ver a selecção Argentina e o craque português. Cristiano Ronaldo regressa à casa que o projectou para as estrelas, e os seus adeptos não se rogam a ir vê-lo, ao vivo e a cores.

Não se pode dizer que este seja um jogo a feijões, porque estão vários milhões em jogo, para ambas as equipas, federações e respectivos jogadores, mas é um jogo sem qualquer sentido competitivo, a não ser o embate de gigantes entre Messi e Ronaldo, e a selecção portuguesa querer fazer bonito perante a vice-campeã Mundial. E preparar o caminho do Euro 2016.

Boas Apostas!