O Ajax da década de 1970 entusiasmou com Johan Cruyff e o Futebol Total, algo que só conseguiu repetir a partir de 1994 sob o comando de Louis van Gaal.

Renascimento

O treinador holandês chegou ao clube de Amesterdão em 1991, com o objectivo de voltar a colocar o Ajax na rota dos títulos europeus.

Van Gaal rapidamente impôs o seu modelo de jogo, tirando proveito das camadas jovens do clube, uma das melhores do Mundo. Na sua época de estreia como treinador principal, 1991/1992, levou o Ajax à vitória da Taça UEFA. Um campeão invicto que, na final, derrotou o Torino, 2-2 fora e 0-0 em casa.

Na temporada seguinte a equipa orientada por van Gaal conquistou a Taça, mas foi nas épocas seguintes que o Ajax confirmou a sua qualidade. Tudo começou com uma vitória por 4-0 frente ao Feyenoord, em jogo a contar para a Supertaça. O ano terminou com a conquista do campeonato. 54 pontos, 26 vitórias, 2 empates, 6 derrotas, 86 golos marcados e 26 sofridos. Litmanen foi considerado o melhor marcador da prova com 26 golos apontados. O Ajax conquistava, por direito próprio, um lugar na Liga dos Campeões de 1994/1995.

Nova época, velhos hábitos. O Ajax voltou a vencer o Feyenoord e a conquistar a Supertaça. Na Eredivisie a equipa superou-se a si mesma face à temporada anterior e terminou em 1º lugar com 61 pontos, 27 jogos, 7 empates e 0 derrotas. Somando ainda 106 golos marcados e 28 sofridos. Um registo que demonstra a propensão ofensiva da equipa treinada por van Gaal.

O Feyernoord acabaria por se vingar da derrota na Supertaça, eliminando o Ajax nos quartos-de-final da Taça da Holanda.

Na Liga dos Campeões, a sorte ditou que a equipa holandesa tivesse como adversário o Milan, Casino Salzburg e AEK, no Grupo D. O Ajax terminou em 1º lugar com 10 pontos, 4 vitórias e 2 empates, somando 9 golos marcados e apenas 2 sofridos.

Filhos dos Deuses

Seguiram-se os quartos-de-final onde os holandeses tiveram pela frente o Hajduk Split. A primeira mão realizou-se na Croácia com o jogo a terminar sem golos. A jogar em casa, o Ajax venceu por 3-0 com dois golos de Frank de Boer e um de Kanu.

Ajax 1 - 0 AC Milan

Depois de ter levado o Ajax à vitória da Taça UEFA em 1992, Louis van Gaal voltou a uma final com o Ajax e ganhou a Liga dos Campeões, derrotando o AC Milan por 1 a 0, em 1995

O Bayern foi o adversário das meias-finais, num encontro nostálgico entre dois dos maiores clubes da década de 70. Em Munique a equipa de van Gaal repetiu o feito dos quartos-de-final, empate sem golos, adiando a decisão para o jogo em Amesterdão. Com o equilíbrio existente entre as duas equipas, poucos acreditariam que o jogo da segunda mão fosse um festival de golos. O Ajax recebeu e humilhou o Bayern por 5-2. 22 anos depois, o Ajax voltava a estar presente na final para tentar conquistar a sua 4ª Liga dos Campeões. O clube holandês tinha uma grande oportunidade para vingar a final que perdeu em 1969/1970 frente ao Milan.

Ernst Happel, em Viena, foi o palco desta grande final. De um lado, um Ajax jovem mas com ambição para voltar a estar no topo. Do outro, um Milan experiente e que disputava a sua terceira final consecutiva.

O Milan mostrava segurança na defesa e conseguia importunar o Ajax quando atacava. Os holandeses desequilibravam a defesa italiana quando colocavam mais velocidade em jogo. Van Gaal lançou Kluivert aos 69 minutos para o lugar de Litmanen.

Faltavam 5 minutos para o final e o resultado ainda não tinha sofrido qualquer alteração. O avançado holandês recebeu de Rijkaard, à entrada da área, segurou a bola, avançou e fez o golo que levou os Filhos dos Deuses à tão desejada conquista. O Ajax vencia o seu segundo troféu nessa temporada de forma invicta, batendo o Milan por três vezes durante a competição. O gigante holandês estava de volta.

Hegemonia

Em 1995/1996, o Ajax voltou a repetir o feito das duas últimas temporadas e venceu o Feyenoord na Supertaça. Vitória por 2-1, com Kluivert a marcar o golo da vitória aos 102 minutos. Seguiu-se a conquista da Taça Intercontinental frente ao Grémio, orientado por Scolari. Os holandeses não conseguiram encontrar o caminho da baliza tricolor durante 120 minutos. Nas grandes penalidades, Van der Sar brilhou e o Ajax levantou mais um título, desta vez em Tóquio, ao vencer o Grémio nas grandes penalidades, por 4-3.

Ajax1-1Juventus

Em 1996, Louis van Gaal levou o Ajax à sua segunda final consecutiva na Liga dos Campeões, mas desta vez para perder com a Juventus na marcação de grandes penalidades, depois de um empate a 1 golo no tempo regulamentar

O Saragoça foi o adversário da Supertaça Europeia. Na primeira mão, empate em Espanha por 1-1, golo de Kluivert aos 70 minutos. A jogar em casa, o Ajax não desiludiu e venceu por 4-0.

No campeonato, novamente o título, mas sem o estatuto de invencíveis. 83 pontos, 26 vitórias, 5 empates e 3 derrotas. Somando 97 golos marcados e 24 sofridos.

O Ajax começou a defesa da Liga dos Campeões no Grupo D, frente ao Real Madrid, Ferencváros e Grasshoppers. Os holandeses terminaram em 1º lugar com 16 pontos, 5 vitórias, 1 empate, 15 golos marcados e apenas 1 sofrido.

Seguiu-se o Borussia Dortmund nos quartos-de-final, com uma vitória por 3-0 no conjunto das duas mãos. Nas meias-finais, o Panathinaikos não teve sucesso, mesmo depois de vencer por 1-0 na Holanda. Na Grécia, o Ajax aplicou uma vitória por 3-0, com dois golos de Litmanen e um de Wooter.

A final foi frente à Juventus e reeditou o duelo de 1972/1973, onde o Ajax venceu por 1-0. O jogo foi disputado em Roma e foi a equipa italiana que levou a melhor, vingando-se da final perdida. Ravanelli abriu o marcador para a Juventus aos 12 minutos e Litmanen empatou aos 41, resultado que permaneceu até aos 90 minutos. No prolongamento também não houve golos e a decisão seguiu para o desempate por grandes penalidades onde quem brilhou desta vez foi Angelo Peruzzi. 4-2 foi o resultado final, com a Lippi a vencer van Gaal.

Regresso do Futebol Total

Com Van Gaal no comando, a magia de Amesterdão renasceu. O treinador holandês ,adepto confesso do futebol total, construiu uma equipa muito jovem, com uma média de idades de 23 anos, e colocou o Ajax no topo do futebol mundial.

Uma equipa talentosa, rápida, inteligente e com jogadores que fizeram parte da base da selecção holandesa na segunda metade da década de 90. Os Filhos dos Deuses quiseram, van Gaal sonhou e a obra nasceu, com o Ajax a atingir, novamente, o estatuto da imortalidade.

Boas Apostas!