Dinheiro.

É o que faz o Mundo girar, dizem.

E deve ser verdade, porque tudo gira em torno de o ter ou não ter. Seja para comprar uma Bola de Berlim com Creme, passear de avião a sul do Equador ou construir uma Bomba Atómica. Portanto, vai muito para além da boa vontade, vulgo carolice, que era (é!) algo muito em voga em tempos que já não voltam, mas que, nalguns circulos, principalmente quando se dá ausência de dinheiro, ainda reina. Claro, não no futebol.

O futebol faz girar o Mundo. Mexe com muito dinheiro. Muitos interesses. Tantos que, por vezes, o poder do futebol é maior que o poder dos países. O futebol com mais poder que os poderes político e judicial dos países. O futebol como poder económico é exemplo da máxima Too Big to Fail. Até um dia.

Mas seguindo a regra de quanto maior a procura, menor a oferta e maior o valor, alguns jogadores tendem a disparar para a loucura. Um homem vale mais de 100 milhões de euros porque é genial a dar uns toques numa bola de futebol. Quanto valerá um homem que consegue colocar outros na superfícia da Lua? no fundo da Fossa das Marianas? que descobre uma forma de acabar com a mortalidade do Cancro? Bem…

O Acordar Benfiquista

Andou o Sporting CP durante anos a vender a ideia (certa) que tinha uma Academia de Futebol que reflectia, no presente, o futuro. O futuro do futebol português, os seus craques e o futuro dourado da equipa, o dito Sporting CP.

Até hoje ainda não se percebeu o que é que aconteceu a esse Sporting CP, produtor de alguns dos melhores e mais caros jogadores do Mundo que acabaram por não lhes deixar grandes proveitos, para além de uma eterna saudade e um momento para a posteridade: o Melhor Jogador do Mundo foi formado na Academia. Pois, mas é no Real Madrid que vale mais de 100 milhões de euros. Porque é que o Sporting CP não é o clube português com maior folga financeira, antes pelo contrário?

Andaram, assim, e ao mesmo tempo, o SL Benfica e o FC Porto a assobiar para o lado, comprando barato, noutros locais do Mundo, para vender bem mais caros na montra europeia. E esses sim, encheram os cofres, ou assim parece. Mas ao mesmo tempo, deixaram desfalcar a Selecção Portuguesa, não entrando na formação com a vontade que lhes seria exigida.

No entanto, acordaram. Tanto SL Benfica, como FC Porto. Mais os primeiros, para já.

Bernardo Silva no AS Monaco

Sem ter passado pelo plantel principal do SL Benfica, Bernardo Silva foi o último exemplo de maximização da academia de formação, com o encaixe de 15 milhões de euros da venda ao AS Monaco

Enquanto o Sporting CP se afunda na sua própria miséria de onde tenta desesperadamente sair, o SL Benfica começa a recolher os louros do seu trabalho de sapa destes longos últimos anos.

Começou no final da época passada com a venda de André Gomes.

André Gomes era produto da formação benfiquista. Jogador que tinha começado no FC Porto, mas que cedo veio para Lisboa, para o SL Benfica, foi um dos poucos jovens saídos da academia benfiquista a quem Jorge Jesus deu algum espaço para crescer e se mostrar. Se calhar havia outros, se calhar não, com aquela valia.

André Gomes rendeu 15 milhões de euros ao clube. Uma boa quantia por um bom jogador formado no clube. Mas um jogador que pode mostrar-se, valor essencial para ter mercado. Acho que é isso que é necessário no final das academias. E o SL Benfica, finalmente percebeu isso.

Já este ano, emprestou Bernardo Silva ao AS Monaco de Leonardo Jardim. Muitos que acompanham as camadas mais jovens já exclamavam que Bernardo Silva não voltaria. Que iria deslumbrar os adeptos do seu novo clube. E a verdade é que assim aconteceu. O SL Benfica vendeu-o ao AS Monaco por 15 milhões de euros. Sem ter passado pela equipa A da casa de formação.

O SL Benfica acordou para uma nova realidade: tem uma mina de ouro nas mãos e quer começar a fazê-la render. As primeiras pepitas aí estão. Outras se seguirão. Alguns podem vir a ser experimentados na equipa principal (se Jorge Jesus estiver para aí virado), mas outros irão directamente para o seu futuro. Porquanto paguem o seu valor. O clube e os seus dirigentes estão a ficar pragmáticos. Nem todos podem ficar no clube. Mas todos podem deixar algo no clube. nem que seja o valor da transferência. E uma série de promessas estão já na plataforma de embarque à espera do que se seguirá. Jogadores como o guarda-redes Bruno Varela, o defesa Victor Lindelöf, os médios Pawel Dawidowicz, João Teixeira e Renato Sanches e os avançados Hélder Costa, Romário Baldé e Gonçalo Guedes, entre muitos outros que começam também agora a despontar nos júniores, e de muitos outros ainda que estão a evoluir noutros clubes, como era o caso de Bernardo Silva.

Se se confirmar o encerramento da torneira dos fundos de investimento, esta poderá ser uma boa saída para o SL Benfica, como para o FC Porto, que está a começar a seguir o mesmo caminho, e mesmo do Sporting CP, que andou a desbaratar essa sua mina, não se sabe bem em nome de quê.

Ao mesmo tempo, que alguma coisa fique por cá.

Boas Apostas!