A Liga dos Campeões está agora a viver aquela fase do ano em que a realidade é mais difícil de enfrentar. Os jogos finais da fase de grupos são os que mais marcam a caminhada de uma equipa a cada temporada, seja pela positiva de conseguir elevar alguns conjuntos para lá da expetativa, seja pela desilusão de deixar de fora dos oitavos-de-final – as dezasseis melhores equipas da Europa – alguns conjuntos que, no seu discurso, têm bem demarcada a identidade de fazerem parte dos grandes.

Aqueles que pisam a medo

Allegri Juventus

Allegri salvará tudo no último minuto?

A Juventus mudou de treinador mas continua a viver no mesmo limbo que parece agora reservado aos conjuntos italianos. Da Série A não surgem grandes equipas para o panorama europeu, ainda que a competição interna seja interessante e continue a produzir alguns jogos de muita qualidade. No entanto, a meio caminho entre ser uma Liga dominante e o ser uma Liga de segunda linha com equipas que têm consciência das formas de jogar para o resultado na Liga dos Campeões, a Juventus demora, uma vez mais, para se afirmar. Neste momento, luta com o Olympiakos por um lugar nos oitavos-de-final e, se há alguém que sabe como traduzir no futebol europeu uma nova forma de estar italiana é Allegri, o novo treinador. Caso consiga apurar-se, a Juventus poderá ser um adversário pouco desejado para um bom número de equipas, mas se cair para a Liga Europa, a desmotivação pode mesmo vir a superar a tentação de lutar por um título europeu.

No Grupo C, cabe a Zenit e Benfica tremerem no seu posto. O sorteio indicava uma luta onde tudo poderia acontecer, mas depois do final de temporada passada do Bayer Leverkusen e da saída dos craques no Monaco, russos e portugueses surgiam como principais favoritos. Agora, lutam ambos por apenas um lugar nos oitavos-de-final, com os alemães a terem a presença quase garantida, havendo o risco da equipa que perder o duelo desta quarta-feira ficar, também, demasiado longe da Liga Europa. Para o Zenit, é um brutal investimento que, ano após ano, demora a dar sinais de poder constituir-se como uma equipa que tenha o mínimo de capacidade para sonhar com uma meia-final. Para o Benfica, o próprio discurso do treinador atira estes resultados para uma realidade aceitável que parece combinar pouco com as expetativas que a equipa prometia.

Como se diz desilusão em inglês?

Balotelli Liverpool

Não te deixes cair já…

O Liverpool vai caindo a pique na Premier League e está também em situação perigosa na Liga dos Campeões. No seu grupo, o Real Madrid era, reconhecidamente, favorito, com os ingleses a surgirem como a segunda equipa melhor posicionada para alcançar os oitavos-de-final. No entanto, o Basel volta a fazer das suas, com Paulo Sousa no comando, e os Reds precisam de vitórias para escapar à sorte de acabar na Liga Europa.

Por outro lado, o grupo da morte prometia fazer vítimas e o Manchester City é o principal candidato a acabar fortemente punido por estar num grupo muito competitivo, ainda que os Citizens tinham tudo para fazer a diferença. O Bayern Munique é um adversário de valor muito elevado – por muito que o City queira, não está ao nível dos bávaros -, mas o Roma está ao alcance da equipa de Pellegrini, bem como o CSKA Moscovo. Terminar em terceiro ou, pior, em quarto lugar, será um peso demasiado carregado sobre as costas dos Citizens para o que falta da temporada.